Eu não tenho opinião sobre isso

Arte por Aykut Aydoğdu
Arte por Aykut Aydoğdu

Nesses últimos tempos eu me deparei com uma situação muito louca: o fato de eu ter medo de dizer que não tenho opinião sobre determinado assunto. Sempre que eu falo isso, começam a vociferar um bando de frases prontas do tipo “você tem que prestar atenção nisso”, “você tem que se informar mais”, “nossa, mas como você consegue passar os dias sem se questionar sobre isso?”.

Como se todas as pessoas do mundo precisassem saber o que está acontecendo o tempo inteiro e mais, ter uma opinião sobre tudo isso. Eu sou uma das maiores defensoras da Era Digital, quem me lê sabe disso, e eu acho realmente incrível o fato da gente poder estar a um clique de distancia de qualquer informação.

Beleza, mas de onde veio essa ideia de que a gente precisa estar inteirado sobre tudo o tempo todo? E pior, levantando um bandeira por tudo.

Eu já mudei tanto de opinião sobre tantos assuntos que cheguei a duvidar de mim. Será que eu sou tão vulnerável assim? Como se estar aberta para entender os outros lados fosse sinal de fraqueza.

Quanto mais eu vejo as pessoas cheias de certezas, mais eu chego à conclusão de que ninguém sabe de nada, porque não existe certo e errado. No fundo, tudo é uma construção nossa, tudo é uma opinião, um ponto de vista.

São tantas camadas de informações que, até chegarem na gente, já estão todas distorcidas. Quem nunca leu uma história no jornal, mas conheceu um amigo de um amigo que estava lá e disse que foi completamente diferente? Talvez tudo seja realmente relativo e a gente está brigando e julgando o outro simplesmente por estar enxergando as formas de outro angulo.

A única certeza que eu tenho, apesar de tentar desconstruir todas as certezas que eu criei, é que a gente não deve ultrapassar o limite de liberdade do outro. Então, se eu cumprir com esse papel que eu acho justo, ninguém pode me julgar por eu não ter uma opinião ou por não levantar a bandeira de algo que eu não tenho certeza.

fod

Às vezes eu me sinto incompreendida nesse mundo flaXflu entre esquerda e direita. Me criticam por eu ter ideias sociais de esquerda, feminista, puta, socialista. Me criticam por eu defender algumas ideias de direita, capitalista, fria, não pensa nos outros. Você tem que tomar uma posição para votar nas pessoas que vão governar o seu país, você é responsável por essa merda toda que você reclama.

Eu sei, eu sei que é importante. Mas até que ponto esse discurso não é mais da certeza mesquinha de alguém? Até que ponto isso é mais importante do que construir algo que eu realmente acredite, que faça realmente diferença na vida das pessoas, mesmo que em uma escala menor?

Por isso eu parei de ouvir o que eu tenho que fazer, sobre o que que eu tenho que saber, sobre onde eu preciso me informar. A gente lida com tanta informação que acaba virando um bando de informação superficial. Tem gente que consegue, tem tempo e adora se envolver com mil assuntos. Tudo bem. Eu só não acho justo que eu tenha que fazer isso também. Esse negócio de multitarefa não é pra mim. Eu adoro fazer nada, gente. E às vezes eu me julgo por gostar de fazer isso. Olha só que doentio.

E fora o trabalho de 8 horas por dia e minhas 8 horas de sono, sobram 8 horas para eu aprender alguma coisa nova, estudar sobre meu trabalho, ler um livro, conversar com meus amigos que moram longe, me divertir, cuidar do blog, ir pra academia, fazer nada…

Uma decisão sábia é filtrar quais informações você quer que cheguem até você e escolher qual delas você vai se aprofundar, sem tentar participar de tudo de forma superficial, sem ter certeza. E claro, sem julgar o outro por ele não querer se aprofundar nas mesmas coisas que você, só porque você tem certeza que é importante.

Eu tenho feito isso há um tempo e minha ansiedade tem me dado uma trégua. Aceitar não ter uma opinião e não sentir necessidade de estar a par de tudo te dá mais tempo de se aprofundar e pensar em coisas que você realmente quer. É mais produtivo e menos estressante viver assim,  pode apostar.

CONSELHO PARA TODAS AS MINHAS AMIGAS SOLTEIRAS: VIVAM.

7d1c271c71637a5c2e1c49762d0f0263

Toda mulher solteira já teve medo de ser solteira. Essa frase é muito esquisita, mas acredito que seja uma verdade para muitas mulheres. Eu mesma confesso que já passei por isso, mas hoje já enxergo a grande besteira que é sentir medo de ser solteira.

Se tentarmos entender a origem disso tudo, começaremos a filosofar sobre os inúmeros padrões que a sociedade estabelece e como isso afeta principalmente as mulheres, que desde pequenas se veem na obrigação de seguir o famoso “felizes para sempre” da Disney.

Bom, mas esse texto não é para indagar os padrões e nem tentar entender por que a sociedade é tão sacana com a mulher em alguns aspectos. Esse texto é para realmente tentar libertar essas mulheres solteiras que se sentem tão pressionadas.

Meu grande e precioso conselho para as minhas amigas solteiras é apenas um: vivam. Existem tantas coisas maravilhosas para se fazer quando se é solteira. Por favor, joguem essa carência pro lado, sacudam a poeira da necessidade constante de ter alguém com quem conversar no Whatsapp, e venham viver a vida com tudo o que ela tem de bom para oferecer.

Nem de longe esse é um texto para incentivar o desapego. Até porque seria um pouco esquisito alguém como eu desacreditar no amor. Não. Eu acredito muito na importância do amor pelo outro. Mas eu também acredito MUITO no amor próprio. É ele que nos move o tempo todo, que nos faz descobrir coisas novas, superar obstáculos, e enxergar o mundo de várias formas diferentes ao mesmo tempo.

Estar com alguém é realmente muito bom, não nego. Porém, estar sozinha também é extraordinário. E confesso que morro de aflição de ver esse monte de mulheres que simplesmente não conseguem passar um fim de semana sozinhas, que não ficam um dia sem trocar mensagens completamente banais com algum cara, que não têm nenhum medo na vida que vá além do pavor de ficar para a titia.

Garotas, acordem! Primeiro de tudo: o amor chega para os distraídos. Já repararam como as maiores paixões de nossas vidas batem na nossa porta quando não estamos esperando por elas? Pois é… Segundo: há milhares de coisas incríveis para fazer quando se é solteira. E calma lá que eu nem estou me referindo a sair pegando todos os caras que existem. Estou querendo dizer exatamente o contrário.

Estar solteira é poder fazer absolutamente o que quiser no fim de semana. Pegar o carro e descer pra praia sem dar satisfações, sair com as amigas para dançar e voltar de madrugada, ou simplesmente ficar em casa enfiada embaixo das cobertas vendo seu filme preferido pela milésima vez. É claro que também podemos fazer tudo isso quando estamos namorando, mas o gostinho sempre muda dependendo do nosso estado civil.

Porém, eu ainda acho que estar solteira é mais do que isso. Para mim, a maior vantagem de estar solteira é a autodescoberta que isso promove. É claro que ao nos relacionarmos com alguém também fazemos uma grande viagem dentro de nós mesmos, mas é quando estamos apenas em nossa própria companhia que desvendamos nossos maiores medos, inseguranças, e também descobrimos muitos dos nossos sonhos.

E não poderia ser diferente… Afinal, é na solidão que temos nossos momentos de maiores reflexões. Então, é claro que meu conselho não poderia ser diferente. Mulheres solteiras de todos os cantos, parem de se lamentar por não terem ninguém com quem dividir a xícara de café. Apenas vivam. Até porque se vocês querem tanto um “felizes para sempre” com alguém, é mais do que primordial terem um momento sozinhas antes disso. Só assim terão certeza de que estão plenas com si mesmas e prontas para dividirem uma vida quando encontrarem a pessoa certa.

Texto publicado originalmente no blog Para Preencher, nosso parceiro de conteúdo. Isso quer dizer que você vai encontrar textos do De Repente dá Certo por lá e textos do Para Preencher por aqui :)

Encontro do mar com o rio

Ela se doa, se entrega, se dissipa
Como água corrente, se transforma
Tenta ser pedra, tenta segurar
Mas quando vê, já foi
Já é não mais ser

Pede muito por ser muito
Não sabe ser pequena, simples
Inventa, seduz, deduz
que as linhas são ondas
que o amor é fácil

Quem vê até pensa
que ela é ingênua
mas ingenuo é quem não vê
O mundo como ela vê
Enquanto os outros veem um copo
Ela enxerga a tempestade

 

 

A relação entre aprender idiomas e seus crescimento pessoal

 

Além dos vários aspectos sociais que o aprendizado de línguas proporciona ao estudante, como por exemplo, uma melhora na habilidade de comunicação interpessoal e um mergulho em várias culturas, ele também traz consigo vantagens na formação acadêmica, facilitando quaisquer pesquisas necessárias para um doutorado ou congresso internacional. Junto a isso, alguns estudos internacionais descobriram, nas últimas décadas, uma série de ganhos intelectuais importantes. Entre eles, estão o desenvolvimento cerebral e aumento da atenção. A seguir, confira alguns pontos interessantes sobre o tema. Para aprender um novo idioma mais rapidamente visite preply.com.

Vantagens sociais diretas

O inglês é uma porta para o mundo. Com esse idioma pessoas de todo mundo podem entrar em contato umas com as outras e trocar uma infinidade de conhecimentos. São aspectos culturais, sociais, econômicos, organizacionais e técnicos que abrem os horizontes dos interlocutores e enriquecem e transformam as perspectivas de vida, assim como o próprio indivíduo como um todo.

Fatores de relevância para a formação

Estudantes universitários por todo o mundo recorrem à arquivos e livros digitais e impressos, quando precisam voltar-se a autores internacionais para a elaboração de suas teses de graduação, mestrado, doutorado ou pós-doutorado. Visando auxiliar a formação e disseminação de atualizações de conteúdos nos mais variados campos de pesquisa, a grande maioria dos estudos realizados são publicados já com uma versão em inglês. Logo, falar inglês é também acompanhar as mais importantes descobertas em tempo real.

Benefícios no cérebro

Os benefícios de aprender uma nova língua são vários. Entre eles estão:

Desenvolvimento do cérebro: conforme o cérebro aprende uma língua de forma intensiva e constante, algumas áreas relacionadas à comunicação crescem, fazendo com que haja mais conexões neurais no cérebro.

Melhora da atenção: bebês que cresceram em um ambiente bilíngue mostram ter uma capacidade de memória maior do que outras crianças na mesma faixa etária que nunca tenham tido contato com uma língua estrangeira.

Diminuição do risco de demência: por mais incrível que possa parecer, o mal de Alzheimer, também conhecido como demência, pode ser retardado no cérebro de pessoas suscetíveis à doença por vários anos. Uma série de estudos vem obtendo o mesmo resultado e comprovando esse fato. Só para se ter uma ideia de como essa notícia é relevante, basta pensar que os efeitos positivos do aprendizado de línguas é muito superior a qualquer outro tratamento realizado com o uso de drogas atuais.

Aguçamento da habilidade de escuta: escutar é uma das habilidades básicas para uma série de coisas, como o desenvolvimento da fala. Descobriu-se que se tornar uma pessoas bilíngue pode fazer com que o cérebro melhore sua capacidade de escuta, uma vez que ele costuma ter de trabalhar mais para distinguir os diferentes tipos de sons em duas ou mais línguas.

*  Este texto foi patrocinado. 

O privilégio de não saber o que fazer da vida

Arte por Alpay Efe

Eu sei que não saber o que fazer da vida pode ser muito angustiante. Somos impactados por tantas histórias de pessoas que juntaram profissão com o propósito de vida e foram viver felizes para sempre que parece obrigação encontrar a nossa vocação e arriscar tudo por pela.

A questão é que eu vejo muita gente sem ideia do que fazer da vida, mesmo já sabendo o que faz seus olhos brilharem. E vejo outras que gostam de tantas, mas tantas coisas ao mesmo tempo que não querem se dedicar a uma coisa só. São pessoas do mundo, que preferem arrecadar experiências e histórias pra contar, preferem se dedicar a projetos pessoais, aprender, descobrir, viajar, amar. Inclusive, essas são as pessoas mais interessantes que eu conheço, porque elas olham pro mundo com vontade de absorver tudo que ele tem para nos oferecer.

E eu sinto que existe uma pressão tão grande para encontrarmos logo o que queremos fazer pro resto da vida que parece errado fazer as coisas só pelo prazer de fazer, de tentar, de curtir. Que medo é esse de perder tempo se estamos ganhando tanto por outro lado? Afinal, que obsessão é essa pela sucesso? Por que sentimos obrigação de ser o melhor em tudo que fazemos? Para mim, para obter sucesso em alguma coisa é preciso apenas concluí-la com prazer, nada mais.

Temos que ter em mente onde queremos estar daqui a 5 anos, mas nunca tivemos tanta oportunidade de fazer o que queremos. É um paradoxo. E fica difícil mesmo escolher um caminho só, traçar metas e alcançá-lo, porque escolher uma coisa, significa abdicar de todas as coisas. E se você tiver certeza do que quer, beleza. Vai fundo, porque vai valer a pena abrir mão de todas as outras coisas. Mas se você não tem tanta certeza assim, qual é o problema de aproveitar a vida com toda a intensidade, tentando viver tudo ao mesmo tempo, sem um objetivo?

Existem tantas formas de ser feliz e encontrar o propósito em coisas que a gente nem imagina. Às vezes o seu propósito é viajar mesmo, conhecer lugares e pessoas novas. Não é o que você mais gosta de fazer? Às vezes é tocar violão na sala, apresentar uma peça num pocket show. Às vezes não tem nada a ver com arte. Sua parada pode ser resolver problemas, ajudar pessoas a se desenvolverem, estudar, ensinar, conectar, empreender. E, vem cá, será que você precisa mesmo transformar essa paixão em profissão? Enquanto não tem dinheiro envolvido, ninguém pode te dizer como fazer.

E tudo bem também se sua vocação e propósito mudam de tempos em tempos, afinal, como disse o Guimarães Rosa no livro Grande Sertão: Veredas –  “O importante e bonito do mundo é isso: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas, mas que elas vão sempre mudando. Afinam e desafinam.

Pensando nisso, cheguei a conclusão de que quem não sabe o que fazer da vida tem o privilégio de não precisar viver com um objetivo e não há nenhuma inércia nisso, mas sim muito movimento. Você pode se dedicar a fazer uma coisa nova todos os dias. Pode encontrar talentos e vontades escondidos, pode descobrir o propósito na própria descoberta, sem medo do fracasso e sem o peso de obter êxito. E é assim que você vai descobrir que as coisas que fazemos sem expectativas, imersos no processo, são as mais verdadeiras. São as que realmente valem a pena.

“Nós” é maior que eu e você

large-13

O todo é maior que a soma das partes. Uma bicicleta é mais do que apenas duas rodas e algumas peças. Ela é infância, é alegria, é transporte, é esporte…

Assim somos eu e você. Juntos.

Eu e você não somos apenas a junção de duas pilhas que ligam o controle remoto da TV. Somos o filme que te faz chorar, a série que não te deixa dormir, o último capítulo da novela que você não quer perder. Somos todos os frutos que a nossa mistura possa gerar.

Eu e você não somos apenas dois indivíduos numa relação. Somos o sabonete que compartilhamos, o café da manhã que tomamos, o carinho que nos damos, as pessoas que gostamos, os lugares que fomos, os quilos que ganhamos, a conta do netflix que nomeamos (bichinho), as sensações que experimentamos, o amor que sentimos.

“Eu e você” é plural, mas “nós” é singular. Não me refiro ao correto uso dos pronomes pessoais, mas à personalidade única que uma relação constrói. “Nós” é uma terceira pessoa a parte das singularidades de “eu e você”. Não nos exclui, nos acrescenta.

A totalidade de um amor não poderá ser copiada. As peças têm encaixe único e se moldam cada vez mais à medida em que se fundem. Se separadas, perdem sua forma inicial e se encaixam de novo com outras peças, mas nunca no mesmo formato.

Esse “nós” só existe em “eu e você”. Em nenhum lugar mais.

Te amo.

Vai lá e morre cheio de razão

Desde pequeno tendo a levar frases à exaustão buscando seus diversos significados e aplicabilidade em minha vida.
Há pouco tempo, ouvi a seguinte frase de um parente após uma corriqueira reclamação de almoço sobre quase ter sido atropelado numa faixa de pedestre com o sinal aberto para mim: “vai lá e morre cheio de razão”.

No momento aquilo significava apenas um “não morra atropelado só porque está certo”, mas com o passar dos dias me peguei expandindo a frase para diversas esferas da minha vida e me gerando muitos questionamentos.
Quando foi que a razão passou a nos guiar e abafar e suprimir nossas emoções?

Quando começou a valer não estar com o cara que você ama só porque ele fez algo que você considera imperdoável? Quando foi que deixamos de falar com um amigo pra manter nosso posicionamento após uma briga? Quando foi que a gente achou normal não vestir o que realmente queríamos por achar que não temos corpo, atitude ou que estávamos muito “piranhas” ou muito “viados” para? Quando foi?

Não sei em que momento isso se deu. Mas tomando consciência desse comportamento corrosivo, decidi que não quero ir lá e morrer cheio de razão. Prefiro estar errado e ter a amiga. Prefiro não ter a razão ou o famoso “senso” e me vestir como quiser. Prefiro não ter o orgulho, mas ter a pessoa que eu amo ao meu lado. Prefiro a felicidade à razão. E essa não é subjetiva. E ninguém me tira.

Vou lá e morro, aliás, vivo, cheio de felicidade.

Glossário da felicidade para 2017

Foto: weheartit.com
Foto: weheartit.com

Fiz algumas anotações no meu caderninho do ano passado e resolvi compartilhar aqui, já que são algumas dicas pra tornar a vida mais fácil de ser vivida. Claro que tem algumas coisas muito particulares e não vão ter nada a ver com você, mas acho que dá pra encaixar algumas coisas na vida de todo mundo.

1 – Beber pelo menos 3 litros de água por dia

Acredite, beber água o tempo todo é bom pra TUDO. Inclusive para o seu humor. É só andar com uma garrafinha de água e enchê-la sempre que der. No começo você vai esquecer, mas depois seu corpo vai pedir água o tempo todo.

2 – Assistir a algum TED ou procurar pela Internet qualquer assunto que você goste

Uma das coisas que mais me deixa mais feliz é aprender alguma coisa nova que eu me interesse. Eu começo a pesquisar e fico o dia todo ou a semana toda debruçada naquele universo novo tentando entender mais, descobrir mais, discutir mais. “A mente não alimentada devora a si mesma.”

3 – Andar mais a pé

Andar a pé é uma forma de fazer exercício, mas você não anda pensando que está se exercitando e mesmo assim está liberando endorfina. O legal de andar a pé é poder observar tudo a sua volta. Observar os detalhes da rua que você sempre passa, ver como as pessoas reagem, como a luz do dia muda totalmente a vibe do lugar dependendo da hora.

4 – Descomplicar tudo

Pense duas vezes antes de criar caso com alguma coisa ou antes de reclamar. Respira fundo, guarda pra você. Se for realmente necessário, fala numa boa, sem soltar faísca.

5 – Não deixar os monstrinhos da cabeça (nóias) te dominarem

Você precisa prestar atenção no que é real, como disse o Jake. A gente não controla nada, muito menos o que as pessoas pensam. Preste atenção na realidade e se apegue a isso em vez de ficar criando uma realidade paralela na sua cabeça. Se a pessoa não parece interessada, aja como se ela não estivesse interessada em vez de fica criando mil e uma histórias para justificar a ausência dela. Só ela tem a resposta. Se a pessoa está te dando atenção e parece gostar de você, não invente que ela não está nem aí. Tente se guiar pelas ações mais do que pela sua imaginação. Não estou dizendo que é fácil, mas é a única forma de não entrar em parafuso.

6 – Dar  a louca de vez em quando

Pode dar a louca, mas sem interferir na liberdade de qualquer outra pessoa, ok? Quando eu digo dar a louca, eu digo se permitir sentir as coisas lá do fundo do estômago. Se permitir errar, se permitir sentir, se permitir perguntar, escrever uma carta de amor, ou uma carta esculhambando tudo de vez. Sair por aí, comprar uma passagem pra Tailândia dividida em 12 vezes, pegar o carro e cair na estrada, beber todas, experimentar o mundo ou se esconder dele.

7 – Usar mais acessórios malucos tipo peruca, unhas postiças, cílios coloridos

Essa é uma das minhas metas pra este ano! Eu amo me fantasiar, amo glitter, amor peruca, amo poder ser outro personagem. Então, por que não? Por que só no carnaval a gente pode sair por aí fantasiado de alguma coisa? É tão mais divertido poder ser qualquer coisa qualquer dia.

8 – Ler pelo menos um livro por mês

Gente, tem atividade mais gostosa do que viajar sem sair do lugar, viver outra vida sem parar a sua, aprender, refletir, conversar com você mesmo e se envolver com personagens? Então, vamos praticar isso mais!

9 – Pensar mais na sua saúde mental do que na estética perfeita

Eu abro o instagram e me deparo com um monte de corpos sarados o dia inteiro. As pessoas só falam sobre isso o tempo todo e eu comecei a perceber que eu estava gastando mais tempo do que o necessário pensando em como ficar com o corpo perfeito, se é que isso existe. Minha meta é ser saudável, comer bem e me exercitar porque isso é bom para o meu equilíbrio e não porque eu quero ficar com a barriga da (insira qualquer blogueira fitness aqui). Acho que não tem problema nenhuuuuuum querer melhorar, ficar mais bonito, se sentir mais confiante. O problema é quando isso passa a ser uma paranóia e não um estímulo.

10 – Conectar-se mais com tudo

Conectar-se com pessoas que estão longe ou perto. Conectar-se com pessoas desconhecidas. Conectar-se com a natureza, com as coisas inanimadas, com as histórias, com uma obra de arte. Conectar-se com você mesmo. Acho que “conectar” é a palavra do século e a palavra da minha vida.  Arte é conectar, amor é conectar, viver é conectar. O barato da vida é se sentir conectado com o que quer que seja. É a única forma de se sentir pleno.

 

Alívio Feminino

Alguns podem falar que é o meio da noite, mas para este grupo talvez seja só o início. Depois de algumas horas ingerindo bebidas o desconforto começa. As pernas balançam inquietamente, pequenos pulos são feitos, enquanto observam-se todos que estão à sua frente, a quantidade praticamente imensurável de corpos que almejam o alívio imediato.

Quando a vontade bate, não tem para onde fugir. É o momento que muitos evitam, se seguram de forma inútil, numa tentativa de evitar o inevitável: perder minutos preciosos da noite. Unidas pelo desconforto doído que se localiza na bexiga, as mulheres formam uma imensa fila, em comparação com a dos indivíduos do sexo masculino, que exibe poucos seres, em nada desesperados com a agonizante espera sem fim.

Os homens que me perdoem, mas pela sorte que vocês tem, acabam perdendo um momento singular da balada. A amizade de banheiro. A fila, esse lugar que reúne as mulheres no ápice do seu desconforto e aflição, também cria laços da mais sincera amizade. No lado de dentro do toalete as pessoas se livram da hidratação em excesso, enquanto do lado de fora livram-se da timidez, da ansiedade, pedem conselhos a completas desconhecidas e o vínculo é formado.

É neste momento, de alto nível de vulnerabilidade, que as mulheres se expõem umas às outras. Não queremos saber se a roupa da fulaninha é bonita, também não queremos discutir a crise política. Na fila, queremos apenas que o tempo passe mais rápido e, numa espécie de cooperação mútua, formamos amizades com tempo de expiração, que nos ajudam a superar essa fase desagradável da noite.

Observamos quando uma companheira sai do ambiente com cara de nojo, reunimos dicas importantes sobre qual box está sem papel, até fazemos cabaninha para as novas amigas, quando o banheiro não tem porta. Ali pode sair tanto uma pequena reclamação sobre as filas absurdas nas festas, quanto um convite para viajar no final de semana.

Enquanto isso, os homens entram e saem com um nível de socialização mínima. Aliviados com certeza. Amigos? Nem tanto. Conforme a fila anda, observamos a amizade chegar a um fim.

Cada uma cumpre o seu objetivo e segue em frente. Se nos encontrarmos em outros lugares, talvez expressaremos um pequeno sorriso, ao lembrar que estivemos juntas em um momento único, mas fingiremos que nada aconteceu. Ou talvez a gente não lembre mesmo uma da outra, mas pelo menos nos ajudamos a superar um momento enfadonho.

Na realidade, a espera é um saco, e é muito mais fácil ser homem nessa sociedade. Mas podemos tirar umas risadas da situação, e sonhar em um mundo em que as amizades sejam tão puras como as da fila do banheiro.

A vida é aquilo que acontece enquanto você quer que o ano acabe logo

Quem curte astrologia pode até acreditar que quando o ano acaba, um ciclo se fecha e outro começa, apesar de eu achar que isso faz mais sentido quando a gente faz aniversário. Mas eu também acredito que os astros têm influência sobre o mundo. Não necessariamente sobre nossas personalidade ou mudanças de humor, mas que eles nos influenciam, não temos como negar. E no dia 31 de dezembro, quando a terra finalmente dá uma volta inteira ao redor do sol, a gente tem todo direito de acreditar que vai viver um recomeço, que vai ter mais uma chance de mudar tudo.

Mas sabe quando a gente tem o poder de mudar tudo também? Todos os dias. Todos os dias que a terra gira em torno de si mesma e o sol nasce de novo, temos uma chance de recomeçar. E eu acho super importante ter esses marcos que nos façam dar uma pausa para ter pique e energia de viver melhor.

Jamais recriminaria a comemoração do ano novo, até porque eu amo aquela energia de todas as pessoas acreditando que tudo vai dar certo. O que me deixa encucada é que em todo lugar que eu vou as pessoas querem que o ano acabe logo. Tudo bem, foi um ano louco, complicado demais para o Brasil como um todo, complicado para o mundo também. Estamos em grande fase de mudanças globais e é normal estarmos em crise econômica e existencial. Mas aguenta firme, agarre-se naquilo que você gosta e acredita.

Apesar de ter muita podreira rolando no mundo, existem coisas incríveis e lindas sendo feitas. Fique de olho nas podreiras para elas não saírem muito do controle, mas não deixe elas te influenciarem ou tirarem a sua energia de fazer coisas melhores.

E em vez de querer que o ano termine logo, por causa do seu cansaço, lembre-se de que a vida é agora. O antes e o depois são só construções da  nossa memória. A gente tá vivo e esse é o melhor presente, mesmo que tudo de ruim esteja acontecendo e você não tenha mais esperanças.

A gente pode sentir a água do mar salgada entrando nos dedos do pé, enquanto ele escorrega pra baixo por causa da areia molhada. A gente pode sentir o vento mexendo o nosso cabelo, enquanto ele mexe também as folhas das árvores. A gente pode ver o céu se transformando em várias pinturas diferentes por minuto. A gente pode sentir o gosto de chocolate derretendo na boca. A gente pode ler e dormir na rede. A gente pode se apaixonar e rir muito e sentir frio na barriga. E pode abraçar e se sentir abraçado. Mas nada disso faz sentido se você só quer que o tempo passe mais rápido. Se você não percebe o valor dessas coisas é porque não viveu essas coisas enquanto elas aconteciam. E aí fica tudo chato mesmo. Quando você não se entrega em nada, a vida fica insuportável.

Eu sei que não é fácil estar presente no momento e isso é normal. Não tem como a gente se sentir pleno o tempo inteiro, e a gente entraria em outra loucura, que é a de querer ser 100% bem resolvido toda hora. Tem vezes que a gente precisa extravasar, dar a louca, e não tem nada de errado nisso. Aliás, eu acho que esses momentos são tão importantes quanto todos os outros. Nenhum sentimento se desperdiça. A ideia é sentir tudo pela raiz, do fundo do estômago.

Seria incrível se nossa ansiedade não nos matasse um pouquinho todos os dias. Ou se a gente não tivesse a tal da FOMO (fear of missing out), que é o sentimento de querer estar em todos os lugares ao mesmo tempo, fazendo todas coisas ao mesmo tempo, porque estar fazendo apenas uma coisa é abdicar de todas as outras coisas. Pra quem sofre disso, assim como eu, tenho uma técnica pra sugerir. Segundo a física quântica, todas as possibilidades existem e estão acontecendo ao mesmo tempo. Então, toda vez que eu fico angustiada por querer fazer tudo ao mesmo tempo, eu penso que em uma realidade paralela eu estou fazendo todas essas coisas. E eu aproveito a única realidade que foi dada de presente: o agora.