Se for pra namorar, que seja pra mergulhar um no outro

Levando em consideração a vastidão do universo e a infinidade do tempo, o big bang, a física e a química, todas as possibilidades, a extinção dos dinossauros e a probabilidade da vida humana acontecer, eu aceito por completo que foi uma sorte imensa ter te encontrado. Ou, como dizem os novos entendidos sobre acaso, nós temos toda a responsabilidade quântica de termos nos encontrado. De uma maneira ou de outra, pra mim não importa. Tanta coisa podia ter dado errado pelo caminho e mesmo assim aconteceu.  A gente se encontrou, se apaixonou e pela primeira vez na vida eu entendi o que dizem nos filmes de amor.

E eu vejo tanta gente por aí querendo namorar só pra não ficar sozinho, só pra ter companhia. Mas se for só pra ter companhia, eu prefiro a minha. Se for pra namorar, que seja pra mergulhar um no outro. Se for pra namorar, eu só quero que seja que nem a gente.

Que seja pra sentir o coração acelerando quando eu ouço o barulho na chave entrando na fechadura quando você chega. Que seja pra ter vontade de te agarrar quando você passa no corredor. Que seja pra ter vontade de te levar pra qualquer lugar que eu vá, mesmo sabendo que eu preciso dos meus momentos solitários de vez em quanto. Que seja pra ter vontade de viver um no outro, entrar um no outro e virar um ser com duas mentes e um corpo. Que seja pra sentir suas conquistas e derrotas como se fossem minhas. Que seja pra acordar todo dia e sorrir só por você estar lá. Que seja pra ter essa ajuda mútua e motivação pra tudo novo que eu inventar de fazer.

Que seja pra fazer miojo quando a gente chega bêbado de madrugada. Que seja pra gente ter nossa liberdade, que é o que nos prende. Que seja pra gente sair à noite pra lugares diferentes e chegar em casa morrendo de saudade. Que seja para as nóias e os monstrinhos da minha cabeça hibernarem quando eu te ligar e ouvir que tá tudo bem. Que não seja um relacionamento com certezas ou dúvidas, mas com descobertas. Que seja exagerado mesmo. Que não precise existir a expectativa do futuro, porque a gente se basta agora e isso é o suficiente. Que a gente jure amor eterno, sabendo que ele não existe, mas achando que nós somos seres especiais e vamos viver o amor eterno, sim.

Que seja essa conexão de pensamentos e ideias. Que seja pra descubra a telepatia humana. Que todas as camadas de uma conversa sejam acessadas e o outro saiba exatamente do que se trata. Que eu respire e você saiba que tem algo diferente no meu humor. Que seja pra experimentar outros níveis de consciência juntos. Que seja pra inspirar o outro e não pra podar ideias. Que seja pra enlouquecer junto. Pra se divertir junto. Pra chorar junto. Pra levantar junto. Mudar junto. Que seja pra fazer tudo junto, mesmo em pensamento. Que seja pra estar sempre junto, mesmo separados, mesmo vivendo as rotinas individualmente, mesmo correndo atrás dos nossos sonhos por nós mesmos. Que seja pra eu querer ser o melhor de mim pra aflorar o melhor que tem em você.

Que nossas vidas continuem sendo vidas individuais, mas compartilhadas. Que você continue tendo seus segredos e eu os meus. Que tenha sempre alguma coisinha pra te surpreender.  Que cada um seja responsável pelas próprias escolhas, mas sabendo que vai sempre existir o impulso do outro pra toda escada que surgir e uma mola no fundo do penhasco quando o outro cair. Que seja pra diminuir o medo de arriscar. Que seja pra se jogar. Que seja pra ser feliz.

 

Eu não escrevo sobre amor

Eu não escrevo sobre amor. Sobre noites mal dormidas, expectativas criadas sem querer ou como é necessário um ato de coragem para poder se entregar a alguém. Também não escrevo sobre o pós-amor. O que se faz quando o fim fúnebre chega e resta aos sobreviventes passar pelo funeral daquela pessoa que morreu na sua vida, mas segue viva na de outros.

Me recuso veementemente: a fazer um texto fofo, falar de coisas melosas, discorrer sobre a dor do fim ou de como superar com auto-estima e amigos. Não vou discursar sobre bater os olhos naquela pessoa e pensar “esse (a) é o futuro pai dos meus filhos/ mãe dos meus filhos”. Muito menos sobre os pequenos atos do dia-a-dia. Credo, jamais sobre os pequenos atos do dia-a-dia.

Nem pense que gastarei meu tempo escrevendo sobre passar o dia inteiro na cama com aquela pessoa, jogar videogame, assistir Netflix juntos, cozinhar risoto com vinho na cozinha pequena, sentir e desejar que esses ínfimos momentos durem para sempre.

Jamais usarei experiências próprias em qualquer texto meu: citar o momento em que fomos ver o filme do Wolverine e, naquela cena que o herói se vinga de um caçador que, a sangue frio, matou um pobre urso, você havia dito que o Wolverine era uma espécie de Curupira canadense. Que eu ri tanto que o cinema inteiro se incomodou conosco.

Jamais colocarei isso em texto algum. Se me virem falando que se apaixonar é bom, é algo que só os fortes conseguem, que é preciso abrir o coração e se jogar, podem me internar. Não, sério! Sou totalmente anti-romântica.

Acredito no pega, mas não se apega. Na curtição infinita. Pra que apenas um quando se pode ter vários? Eu sou o símbolo do desapego, minha gente. Não tenho fossas, supero tudo muito rápido. Não choro em filmes românticos, não sinto falta de ninguém. É isso. Fim. Não escrevo sobre amor. E é só sobre amor que escrevo.

Já é hora de fazer balanço geral do ano?

Ano passado eu tinha certeza deste ano. Ouvia as pessoas falando que seria um ano difícil, mas eu entrei nele de cabeça, com flores pra Yemanjá, lista de resoluções e uma certeza que palpitava na cabeça: esse ano eu vou conquistar tudo que eu quero. E olha que eu nunca fui de fazer resolução ou me prometer coisas pro ano. Sempre gosto de fazer o que me der na telha, sem nada muito programado. Afinal, a vida é uma caixinha de surpresas e comprometer-se a fazer coisas que você ainda não sabe se vai querer fazer é a receita certa para se frustrar.

Tinha muito tempo que eu não fazia resolução de ano novo, mas ano passado eu resolvi fazer, porque estava confiante. Acontece que nenhuma das minhas resoluções se concluiu, talvez por eu não estar preparada para elas. Pra falar a verdade, eu nem tentei, porque fui sempre deixando pro próximo mês e de repente eu estava em novembro. E em vez de correr atrás pra conseguir fechar as contas até dia 31 de dezembro, eu simplesmente quero deixar pra lá.

E eu olhei pra trás, pro meu ano, e vi que eu não tinha feito nada do que eu tinha me prometido. Que foi um ano paradão, blasé, sem conquistas, perdas ou frio na barriga. O equilibro é bom, mas o morno? O sem tempero? Não vale a pena viver sem borboletas no estomago, por qualquer coisa que seja. E quando eu pensei nisso me veio uma enorme onda de frustração, porque a culpa tinha sido minha.

Eu que não corri atrás pra conquistar as coisas que eu queria. Mas quando eu realmente me dediquei um tempo pra destrinchar meu ano, percebi que eu não queria bem fazer essas coisas que eu tinha planejado. Eu queria conquistá-las, mas sem gastar um pingo de tempo para, de fato, efetuá-las. E sinto informar,  mas também não foi neste ano que eu encontrei o gênio da lâmpada. Porque só assim pra conquistar coisas sem esforço nenhum.

E quando essa frustração me pegou no meio de uma terça-feira chuvosa, eu comecei a tirar um monte de coisas do baú do ano e me lembrei de várias coisas que me tiraram o ar, me fizeram chorar, rir, me descabelar e sentir no fundo da alma uma felicidade enorme por existir.  Sabe aquele sentimento que dá um calorzinho no coração e você pensa, puta que pariu, como é bom estar vivo?

Perdi o emprego, perdoei pessoas, conheci pessoas incríveis, me aproximei de outras mais incríveis ainda, trabalhei com uma parada que eu nunca imaginava, ganhei dinheiro e amei muito. Eu lembro que eu senti muito amor neste ano, talvez por eu estar mais preparada para amar e doar esse amor. E eu não conquistei o que eu tinha me prometido, mas ganhei tanto por outro lado, e coisas que eu nem imaginava.

Acho que sentir-se conectado é o grande barato da vida. Você se encaixa e percebe que não precisa mais procurar proposito nenhum. O propósito é ficar conversando com alguém sobre suas conclusões da vida até o sol nascer, o proposito é mandar uma mensagem de madrugada e ser respondido na hora com a mesma intensidade, o propósito é se perder na história de um livro, o propósito é ouvir sem esperar sua vez de falar, o propósito é comer a sobremesa antes do almoço, o propósito é lembrar de alguma coisa engraçada e começar a rir no metrô lotado, o propósito é amar e ser amado de volta, o propósito é estar presente, seja no quer for.

E como isso é difícil, mas a gente precisa aprender a fazer. A gente precisa aprender a se conectar e pra isso acontecer é preciso estar aberto, não tem jeito. E eu não estou falando que é preciso contar sobre sua vida. Estar aberto é estar aberto pra trocar. Que nem aquela música “pela lei natural dos encontros, eu doou e recebo um tanto”.

E o que ficou de aprendizado é que viver olhando apenas para o prêmio faz com que você se esqueça de todas as outras coisas ao redor, tão ou mais valiosas do que atingir seus objetivos. Não adianta conquistar algo se você não curtir o processo, porque a vida é só um processo gigante que te leva a lugar nenhum, então é melhor começar a curtir o caminho enquanto ele se cria. Muito livro de auto-ajuda, né? Mas to sendo sincera e tive que me frustar e colocar a cabeça pra pensar pra chegar a essa conclusão. Fiquei tão apegada às minhas promessas que quase me esqueci do resto que eu conquistei este ano.

Claro que é importante ter objetivos, mas sem fechar portas para outras oportunidades e sem fechar olhos para o que o mundo nos oferece constantemente. Por isso, esse negócio de fazer resolução de ano novo não é pra mim.  Tem gente que precisa estabelecer metas, mas eu funciono melhor sob inspiração e não sob pressão.

No começo do ano que vem, quando eu for pular as sente ondinhas, em vez de me prometer coisas que eu nem sei se vou querer mais, vou prometer me escutar mais e ser sincera com as minhas vontades. E, logo agora, terminando este texto, cheguei a conclusão de que eu estava certa e realmente conquistei tudo que eu queria no meu ano, eu só não sabia que era isso que eu tenho agora.

Pra que tanto drama?

Perceba. Olhe ao seu redor. Seja no ambiente familiar ou mesmo profissional, ser equilibrado – ou buscar pela neutralização dos polos – não é mais interessante. Ser, no mínimo, tumultuado é que está em alta. É “cool”, excêntrico, desafiador e garante uma série de “likes” nas redes sociais. E talvez você ache que a minha fala ultrapasse o politicamente correto e que eu também queira (só) chamar a sua atenção.
Como diria o escritor francês André Gide, com bons sentimentos não se faz boa literatura. Essa constatação não se aplica apenas às artes, área na qual é poético ter transtornos psíquicos ou uma certa dose de melancolia que seja, mas também se refere à nossa rotina, rotina essa que na maioria do tempo é pouco atraente, infeliz ou mesmo indiferente aos olhos dos outros.
Sem sombra de dúvidas, a complexidade da alma é altamente instigante, mas só até a página 2. Afinal de contas, seus personagens preferidos da ficção dariam péssimos vizinhos. Então, sem banalizar as questões humanas mais profundas, porque a dor é cada vez mais glamourizada nos dias atuais?
É claro que os dramas de Pedro Almodóvar são essenciais para fazer pensar além da caixinha. A depressão de Wood Allen pode parecer favorável aos seus filmes, mas, no dia a dia, não dá pra dispensar o “água com açúcar” das novelas mexicanas, caso contrário, tudo seria pesado demais. Insustentável até para os mais leves dos seres.
Por isso, o entediante, no melhor dos significados, talvez seja fugir dos extremos comportamentais. Ser um bom equilibrista na corda bamba das emoções e dos sentimentos a que estamos sujeitos, com períodos alternados de equilíbrio, inconstância, alegrias e tristezas.

Quando o fim vira lembrança

Anoiteceu em mim quando você me atravessou como se eu fosse um fantasma. Não por não querer me ver, mas por eu não ser mais nada dentro daquilo que você custa chamar de representatividade na vida.

E seu olhar me congela enquanto você pergunta, com um copo de cerveja na mão, na maior tranquilidade se está tudo bem. Eu olho pra você de volta e tenho certeza que dá pra ver meu coração saltando pelo vestido que eu fiquei duas horas pra escolher quando soube que você estaria ali. E mais do que todos os “nãos” e foras que eu já recebi já vida, esse olhar me diz que acabou.

E eu não sei entender as coisas que acabam. Como assim, acabou e pronto? Na natureza nada se perde, tudo se transforma. E o que não deixa o acabar na gente é aquele fio de esperança maldito de que tudo não passou de um mal entendido, de que é tudo uma transformação, não um fim. O amor não acaba assim, como um pote de sorvete que acaba e ainda se quer mais.

Seu olhar de indiferença me atravessa como uma espada fria e eu tenho vontade de te chacoalhar e perguntar onde você está, onde você foi parar? Quem é essa pessoa estranha aí dentro, com tantas certezas que não existiam antes. Saio de perto pra conseguir respirar, mas tenho vontade de sumir, tomar um remédio pra curar essa agonia. Eu não sei por que ainda não inventaram um remédio pra curar amor. Seria tão simples. Desligar essas sinapses que meu cérebro insiste em fazer toda vez que ele te vê atravessando a esquina.

O fim é sempre apavorante porque ele te obriga a olhar pra outros lados, a recomeçar. O fim te tira da zona de conforto sem você pedir. Não tem mais nada ali, amigo. Vai procurar outra coisa, porque insistir em algo que não vai te dar qualquer retorno é se trancar num quarto escuro. E dá uma vontade de ficar sentada nesse quarto escuro esperando você vir me resgatar, porque quando eu abrir a janela a luz vai entrar e me cegar. Mas, por mais que eu não queira sair agora, sua indiferença congelou o quarto e eu não tenho outra opção senão sair daqui.

Virei uns 50 mil shots de cachaça,prometi mundos e fundos pra quem eu não conhecia, me permiti sentir tudo com tanto afinco que acho que me revirei do avesso e resolvi abrir a janela. Acordei com a cabeça explodindo de dor e um gosto de poeira na boca. Era o primeiro pedaço de você que virava lembrança.

O passado bateu em mina porta e eu a-bri

Senhoras e senhores, ponham a mão no chão e se segurem porque quando o passado visita é pior que terremoto, furacão e tsunami. E foi por esse turbilhão violento vindo por terra, ar e mar que duas amigas queridas foram pegas de surpresa e estão tendo que remexer nos escombros do que já foi destruído para resgatar uma parte de suas vidas. Mas cá entre nós, quem nunca abriu a porta pro passado e descobriu que ele não sabe a hora de ir embora? Quem nunca se distraiu e caiu no buraco negro do mal resolvido? “Quem tem, tem medo”e quem tem passado, tem pânico.
​Uma amiga terminou um namoro longo ano passado. Desde então está se relacionando com uma pessoa nova e tem sido, como diz Chico Buarque, “tipo festa sem fim”. Tudo muito bom, tudo muito bem até que, olhando o facebook para matar o tempo, dá de cara com uma foto do ex namorado abraçando uma garota com uma legenda bem melosinha. Tudo para por um segundo. Ela não respira, o coração acelera, os olhos se arregalam, a boca fica seca e começa um leve tremor nas mãos. Me contando sobre isso, ela diz que quis até chorar de tristeza e raiva. Veja bem, ela que decidiu terminar o namoro com ele, pois não o amava mais. Ela foi a primeira a superar e começar a namorar outra pessoa. Mas foi ela quem quase morreu quando viu o ex namorado e a partir daí houve um desabamento de estruturas emocionais. Ela não quer voltar atrás, nem deixou de amar sua nova companhia, mas o passado não estava tão bem passado assim.
A outra amiga teve um irmão por parte de pai quando já era bem mais velha. Hoje ela tem 30 anos e o irmão tem 5 anos, uma fofura. No entanto, ela vê o pai deles agindo com o irmão como agia com ela e cometendo os mesmos erros que a levaram para a sala de um terapeuta durante anos. Ela carrega feridas que foram abertas no momento em que ela viu seu pai terceirizando a educação do seu irmão ou gritando com ele de forma injusta. O passado estava cochilando dentro dela e despertou com tudo, trazendo uma angústia e nostalgia que a fizeram voltar pra sala do psicólogo para tentar enterrar de vez esse passado dorminhoco.
Às vezes é mais fácil calar o passado do que deixar ele falar. Não dá tempo de pensar e dá preguiça, dá desgaste, dá sono, dá negação, dá fuga e hoje, dá confusão. Quando a gente não fecha as portas direito, elas se abrem com um vento mais forte. Quando a gente não mastiga a comida, fica difícil digerir. A falta do luto ou do período de amadurecimento faz a gente ter pendências que serão cobradas com juros. Ter que tomar chá com o passado na casa do futuro é muito difícil. É a dificuldade de ter ciúmes do ex com o namorado atual do seu lado ou de querer tirar seu irmão dos braços do seu pai e levar pra sua casa. Resolver os problemas do passado é esvaziar uma mochila pesada que não deixa a gente andar direito. A mochila pesada nos atrasa e nos cansa, fazendo com que tenhamos que parar para respirar de tempos em tempos. É necessário que a gente abra a mochila e investigue todo o seu interior para podermos decidir o que vai e o que fica, nos libertando assim de mágoas antigas, frases nunca ditas, choros engolidos ou até mesmo daquela pesquisa insistente no facebook de alguém só pra manter a raiva em dia.
​A vida pode ser muito mais suave quando a gente zera o jogo. Você pode não ter feito isso na época certa, mas sempre é tempo de se libertar. É preciso parar, encarar o passado, discutir com ele, sangrar, chorar, mas mandar ele ficar do lado de fora. Você nunca vai esquecer que ele existe, claro, mas não precisa leva-lo nas costas. Deixa ele aí e anda pra encher sua mochila com coisas novas. O passado vai bater na sua porta, mas não abre não. Abre a janela que a vista é linda.

Tudo que te desejo

Eu poderia te desejar tudo de pior não é? Te bloquear em todas as redes sociais e fingir que te odeio. É até o que os meu amigos querem, que nunca mais fale com você, que vire um completo desconhecido para mim, mas comigo não é assim. Jamais vou te odiar. Em nenhum momento vou te desejar mal.

No seu aniversário te darei parabéns, natal e ano novo vou desejar a você a sua família o melhor. Se sofri? Nossa, demais! Já cheguei de baladas e chorei sozinha por mais de hora em casa. Me perguntei tanto por que não demos certo, por que depois de tanto esforço deu tudo errado. Será mesmo que deu errado?

Quando olho para trás vejo tanto carinho, tanta alegria. Como poderia algum dia não querer te ver feliz? Quero que você encontre alguém que entenda o tanto que você valoriza os seus amigos e precisa da sua reunião semanal na casa deles, e que confie em você. Que saiba que você é meio confuso, mas que tem um coração de ouro. Do tanto que você me fez bem não tem como eu te desejar mal.

Quero que você alcance o seu potencial, que viaje, conheça mil pessoas e seja incrível. Eu sei da sua capacidade, talvez mais até do que você mesmo. Sabe qual o problema?

A maioria das pessoas olha pros ex’s romances e sente algo ruim, mas quando penso em você só lembro de coisas boas. Não porque não superei, ou porque não sei que não somos um pro outro. Não somos. Não sou a pessoa certa para você, nem você para mim. Mas te conheço e sei que você é alguém que merece ser amado, alguém que tem todo o meu respeito e quero para sempre o seu melhor. Que você encontre coisas incríveis nesse mundo, e melhor ainda, que nesse caminho encontre a si mesmo.

Porque todos esperam que eu queira o seu pior, mas sabe o que? Só posso te desejar felicidade e esperar que quando você pense em mim se lembre de alguém que sempre vai te olhar com todo o carinho possível.

Pra você que está entrando na minha vida agora

Para você que está entrando na minha vida agora… Hey, chegue mais!

Me deixa abrir a porta do meu coração pra você. Sinta-se em casa e não repare na bagunça!

O inquilino antigo não cuidou direito e aí as coisas ficaram meio desarrumadas por aqui, umas pilhas de roupa suja pra lavar ali no canto do quarto, mas tudo tranquilo, sem ressentimentos. A casa está em processo de reforma, mas ao que me parece tudo caminha pra uma considerável melhora.

Sim, tem umas rachaduras na parede. Me disseram que certas rupturas nunca se consertam por completo, mas dá um ar diferenciado para o local não? As paredes aqui viram muitas coisas, são cheias de experiências, porém estão ansiosas por novas. A estrutura até mudou, mas a essência continua a mesma. Ah não te disse?

Casa de solteiro é assim mesmo, muita loucura, uma reforma atrás da outra, mas nunca se cansa, de mudar, de tentar, de desistir e tentar de novo. É que a vontade de ser feliz supera as decepções. Para ser sincero às vezes até minto pra mim mesmo. Digo que dessa vez vou fechar as portas e não receber ninguém, afinal o processo de trocar pinturas, pisos, procurar uma nova decoração dói.

Às vezes é preciso derrubar paredes. Então, em vez de derrubar paredes, vou e construo mais, para tentar me proteger. Pelo menos fica com mais lugar para pintar. Sou simpático demais, gosto de receber gente aqui… de casa cheia sabe? O vazio é bom por um tempo, mas ter o coração repleto é essencial. Claro que tenho visitantes recorrentes: amigos, família, sonhos, mas ultimamente anseio por alguém que queira habitar aqui com ânimo definitivo.

E ai, está a fim de quebrar umas paredes?

Para o meu amigo: as demandas do amor

São onze horas da noite de uma segunda-feira.

Recebo vários prints da sua conversa com ela no whatsapp. Assim como aquela música você fica nessa de “Should I stay or should I go?”.

Você me diz que está com medo de sofrer, mas percebe que o medo já é um sofrimento em si? O amor, querido amigo, demanda coragem. É ver o fim do precipício e se jogar mesmo assim. É não somente correr o risco de se magoar, mas escolher quem vai ter o poder de fazer isso contigo.

Amar é ter alguém que você possa mandar mensagem a qualquer hora. É ter, de maneira romântica, um melhor amigo. É beijar alguém e sentir arrepios, mas em um abraço se sentir seguro. É ter, em uma hora de não pensar em ninguém, alguém que você pensa toda hora.

Amar também demanda um pouco de burrice… É colocar o outro antes de você. É escolher uma única pessoa dentro das 7 bilhões que existem no mundo. É ter trabalho e discussão chata de relação. É ter que se expor, ser vulnerável. Ter que dar satisfação. É não ter nada novo porque está com a mesma pessoa e, ao mesmo tempo, ter que descobrir o novo nela todos os dias.

Não sei te dizer se você deve ir ou ficar, mas se existe um último ponto para te dizer é isso: o amor é aquilo que aquele cara, que você acha idiota, não sentiu por mim. É o que ela sente por você.

É preciso estar aberto para as oportunidades

Quarta-feira foi a abertura da ArtRio, uma feira de arte contemporânea que acontece todo ano no Rio e, por causa disso, o Consulado da França resolveu fazer uma festinha/coquetel no hotel Caesar Park, que fica na Vieira Souto em Ipanema, ou seja, bem de frente pra praia, no rooftop. Essa festinha era pra homenagear o artista Claude Viallat, por isso, era também uma super exposição com obras dele.

Eu nunca sou convidada pra esse tipo de evento, mas escrever sobre arte e cidades no blog tem me aberto um mundo novo e eu nunca conheci tanta gente diferente de mim em tão pouco tempo. A maioria da galera saiu da abertura da ArtRio e foi direto pro lá.

A festa estava cheia de gente chique, elegante, entendedores e admiradores de arte. Era óbvio que eu, de calça jeans e bota, não fazia parte daquele ambiente de terno, salto fino e vestido, mas nada que um vinho branco e umas caipirinhas não tenham resolvido. Tinha um buffet incrível, só com comida maravilhosa tipo salmão e camarão. Eu nem saberia descrever os pratos, de tão elaborados que eram. Tinha um mesa de doces do estilo que eu nunca vi antes, só coisa realmente muito fina.

Em pouco tempo eu já estava dançando e conversando com as pessoas. Essa é a mágica que acontece quando as pessoas bebem e a aumentam o volume da música. Todo mundo se sente mais confortável, né? Até que eu comecei a conversar com a mulher mais estilosa da festa. Cabelão cacheado, jaqueta com estampa de um grafiteiro (que ela não lembra o nome) e um coturno com salto giga. Ela, com o maior sorrisão, foi toda simpática e começamos a conversar sei lá sobre o quê. Tem gente que passa empatia de imediato. Sabe quando bate? Você só quer continuar ali conversando com a pessoa, tentando entender mais sobre ela.

Elsaine era uma mulher independente, divertida, mente aberta e que adora Louis Vitton. Quando ela me falou isso, eu não imaginava que ela era a maior compradora de Louis Vitton do Rio (foi mal galera, não consigo evitar de dar um Google em toda pessoa nova que eu conheço). É claro que essa é uma realidade completamente diferente da minha, já que eu só tenho uma bolsa que comprei na forever 21 e uma mochila que já está caindo aos pedaços. Eu não ligo mesmo pra sapato e bolsa. Mas a Elsaine, em vez de ser aquelas pessoas esnobes, tinha uma energia incrível e boas histórias. Combinamos de ir na ArtRio, inclusive ela me deu o ingresso vip dela quando eu falei que queria escrever sobre a feira aqui no blog. Quase morri de amor. Falou que eu tinha que conhecer o Beto, que faz parte da organização e é um adorador de arte. A troca com as pessoas existe em tantos, mas tantos níveis que a gente nem imagina. Conhecer alguém novo, em qualquer situação que seja é sempre especial se a gente estiver aberto. Como eu já falei aqui mil vezes, se conectar com pessoas é o nosso maior trunfo.

Conversei com mais mil pessoas, tirei foto com a Vanessa da Mata, descobri que o Caesar Park vai deixar o rooftop aberto ao público no verão. Isso mesmo. De graça, e a gente paga apenas o que for consumir lá em cima. E de repente eu não me senti mais totalmente desconfortável naquele ambiente cheio de pessoas ricas e famosas e colecionadores de arte.

Quanto mais eu me desafio a sair da minha bolha, dos lugares que eu vou sempre e daquilo que eu chamo de realidade, eu me surpreendo. É claro que o blog tem me ajudado a ir a lugares que eu nunca iria, mas de vez em quando eu me proponho fazer alguma coisa totalmente diferente e a experiência é sempre rica. A gente fala tanto de viajar, conhecer novos lugares e novas pessoas, mas às vezes dá pra fazer isso na nossa cidade. Vá a um forró, se você não curte forró, vá a um show de algum cantor desconhecido… Sei lá. É difícil sair dessa zona de conforto, porque dá preguiça, mas a experiencia é tão rica. O mundo tem tanto a nos oferecer, mas a gente insiste em olhar sempre pro mesmo canto.

Eu entendo ter preguiça das pessoas. Eu tenho isso diversas vezes, diversos dias. Mas você sabe que existem pessoas fodas por aí que vão te arrancar uma gargalhada quando você menos esperar, que vão te emocionar, te inspirar, que vão te surpreender de alguma forma. Mas isso só vai acontecer se você estiver aberto pro novo. E o novo é sempre dá frio na barriga.