Às vezes nos surpreendemos

Foto: Rob Woodcox
Foto: Rob Woodcox

“Até quando você vai deixar ele ficar te enrolando desse jeito?” Foi o que ouvi de uma pessoa na época em que eu estava no meio de um relacionamento complicado. Foi bem ruim escutar aquilo. Não me entenda mal, eu acho que às vezes precisamos mesmo ouvir algumas frases assim na lata, dessas que vem como um tapa na cara para que finalmente comecemos a enxergar as coisas como elas realmente são. Foi por isso, por acreditar que às vezes precisamos ouvir certas coisas e pelo fato de que eu normalmente escuto o que as pessoas me dizem para então ver se concordo ou não, que me peguei ponderando se existia alguma verdade naquela frase com a minha situação e se, caso houvesse, porque eu não estava enxergando isso, porque estava deixando ele me enrolar do jeito que ela deixou implícito.

A pessoa que me disse isso não era uma amiga, não era alguém que sabia sobre o meu relacionamento, era alguém que conhecia a mim e a ele em um nível apenas social e, principalmente, era uma pessoa que falava o que pensava sem papas na língua. Por causa de todos esses fatores eu normalmente não me importaria com o que ela falou, mas aquela frase mexeu comigo, me incomodou, e eu fiquei algum tempo pensando muito seriamente nisso: se ele estava me fazendo de idiota e eu não via, se eu estava em um relacionamento sem futuro, se as pessoas ao meu redor viam essas coisas mas eu não e, ainda mais assustador para mim, se ele era tão bom em enganar que eu não enxergava nada disso.

Boa parte dessas coisas eu pensei porque, infelizmente, a realidade é que muitos homens hoje em dia são, como minha amiga Luisa falou em um texto dela, jogadores profissionais no flerte. Escutamos e vivemos tantas histórias de homens enganando mulheres, fazendo nos sentirmos idiotas, não sendo honestos e agindo de maneiras para que fiquemos presas em um ciclo sem fim onde continuamos gostando deles enquanto eles não se envolvem. Uma situação dessas é realmente muito exaustiva, principalmente para a mulher.

Mas o que eu quero falar aqui é de uma situação diferente. Depois de muito pensar sobre a frase que me foi dita, percebi que eu não estava levando em consideração o tipo de pessoa que eu sou e o tipo de pessoa que ele era. Eu e ele tínhamos sempre sido muito honestos, e a nossa confusão no relacionamento era com o que queríamos para o futuro e como realmente nos sentíamos um com o outro. Apesar disso, eu reconheci sinais que talvez, em algum nível inconsciente, ele estivesse mesmo me enrolando.

Vou explicar. Eu não acho que ele fazia joguinhos comigo propositalmente, sabendo que se me mandasse uma mensagem genérica programada a cada dois dias ele teria certeza que eu estava sempre lembrando e pensando nele, marcando seu território. Acho que no nosso caso era apenas o tipo de pessoa que ele era. Quando ele ficava desconfortável com o que sentia, ou com o nível de intimidade no relacionamento, seu primeiro instinto era sumir, se proteger e não lidar com o que quer que o incomodasse. Muitas vezes a responsável por fazer ele se sentir daquele jeito era eu, então era óbvio que o mais fácil era simplesmente não falar mais comigo durante algum tempo. O que acabava me deixando sem entender nada, me fazendo me sentir enganada e extremamente cansada.

A verdade é que, de algum modo, ele estava sim me enrolando. Mas como eu o conhecia muito bem,sabia que não era de nem de propósito, nem por maldade, nem era um jogo para marcar território, era apenas mais simples e menos doloroso para ele agir daquele jeito, então acabava sendo o seu natural. Claro que para mim isso não tornava a situação mais fácil, nem menos cansativa, nem menos dolorosa. É apenas uma visão diferente de algo que continua sendo muitomuitoruim.

Existem pessoas que vão te enrolar de propósito e existem mesmo situações em que você ficará perdida sem conseguir enxergar as coisas direito. Quando suas amigas te falarem frases como aquela ou derem conselhos, recomendo que as escute e pare pra pensar se elas podem ter razão ou não. Às vezes o cara realmente é um jogador profissional de flerte que não vale à pena se envolver, mas às vezes a situação pode ser diferente e inusitada, como foi o meu caso.

Quando aquela pessoa me disse aquela frase ficou claro para mim que ela estava me julgando como uma idiota por estar naquela situação. Eu não era idiota, e apesar da situação não ser como ela tinha julgado, eu sabia que algo estava acontecendo então tomei a atitude que eu achava certa: conversei com ele. Fui honesta e falei como ele estava fazendo eu me sentir, e quando ele se deu conta de como estava agindo comigo mudou de atitude, porque em momento nenhum quis me machucar de propósito, era apenas a maneira como ele tinha aprendido a lidar com situações difíceis ao longo da vida. Isso não desculpa a atitude dele, mas com certeza me faz vê-lo como humano. Todos nós temos nossos problemas, padrões comportamentais ruins e inconscientes, então meu conselho é que estejamos sempre abertos a falar e a ouvir. Às vezes podemos nos surpreender.

Bianca Siqueira

Sou uma psicóloga apaixonada por conversas, Londres, livros, chocolate e a cor azul. Sempre gostei de escrever sobre minha vida para mim mesma, mas agora resolvi compartilhar meus pensamentos com o mundo. E vamos ver no que vai dar, não é?