Disciplina é um processo e não apenas uma decisão

Disciplina. Esta palavra ronda nossa vida por meio de textos motivacionais, revistas fitness e livros de auto-ajuda. A gente sabe que só vai conseguir o que almeja se essa palavrinha mágica for inserida no dia a dia: disciplina. Nos sentimos até meio idiotas quando nos dizem que falta de disciplina é preguiça. Será que é só isso mesmo? Por que é tão difícil ter disciplina?

Porque ter disciplina significa abrir mão de alguma coisa, nem que seja de mais algumas horinhas de sono, de comer um chocolate, de assistir a mais um episódio de uma série. É complicado achar o equilíbrio entre a disciplina e o fazer o que você quer no momento, mas o segredo está aí.

Se a gente começar a seguir tudo certinho e nunca abrir mão de nada, a vida fica muito chata. O objetivo vai ser alcançado, mas será que vale a pena desfrutar só da linha de chegada e não do caminho?

É claro que eu coloco essa regra de modo geral, porque tem gente que é muito feliz sendo disciplinado e tendo o controle de tudo, mas acredito que, assim como eu, muita gente tem dificuldade criar esse hábito. E entre não ter disciplina nenhuma e ter um mínimo de disciplina, é melhor que a gente fique com a segunda opção se quisermos alcançar algum resultado.

A primeira coisa que devemos encontrar para começar a ter disciplina é a motivação. Qual é a sua motivação para criar uma rotina disciplinada? Se a motivação não for real, a disciplinada não vai fazer o menor sentido.

Primeiro você deve se perguntar: para que eu quero ter disciplina? Quando você encontrar o seu motivo,  crie metas diárias que não causem uma ruptura brusca na sua rotina. Por exemplo, se você quer começar a se exercitar, procure alguma atividade que não vá te tirar muito do caminho ou dos seus horários. Pode ser na hora do almoço ou entre o trabalho e a faculdade ou um curso livre que você faça.

Use o tempo a seu favor. Organize-se. Quer economizar dinheiro? Separe uma horinha para fazer mais comida e leve como uma quentinha para almoçar no trabalho. Pense que vai ser só mais uma hora gasta em um dia da semana para 5 dias de refeição economizadas.

Quer se especializar em algum assunto? Comece a fazer aulas onlines gratuitas duas ou três vezes por semana sempre no mesmo horário. Qualquer coisa que seja, você precisa começar aos pouquinhos. Na época da escola e da faculdade a gente tinha um compromisso com o horário da aula, certo? Marque um compromisso com você mesmo com data e local. Dedique-se por uma horinha no dia ou apenas uma horinha na semana para começar.

Tudo na vida começa aos poucos. Não adianta decidir que vai mudar o estilo de vida totalmente na segunda-feira. Aliás, na maioria das vezes, isso nos leva à frustração, porque não conseguimos, nos culpamos, ficamos ansiosos e continuamos parados no mesmo lugar.

A sensação de realmente fazer algo que você planejou te impulsiona. E, de repente, sem você notar, a disciplina virou um hábito.

Eu não tenho opinião sobre isso

Arte por Aykut Aydoğdu
Arte por Aykut Aydoğdu

Nesses últimos tempos eu me deparei com uma situação muito louca: o fato de eu ter medo de dizer que não tenho opinião sobre determinado assunto. Sempre que eu falo isso, começam a vociferar um bando de frases prontas do tipo “você tem que prestar atenção nisso”, “você tem que se informar mais”, “nossa, mas como você consegue passar os dias sem se questionar sobre isso?”.

Como se todas as pessoas do mundo precisassem saber o que está acontecendo o tempo inteiro e mais, ter uma opinião sobre tudo isso. Eu sou uma das maiores defensoras da Era Digital, quem me lê sabe disso, e eu acho realmente incrível o fato da gente poder estar a um clique de distancia de qualquer informação.

Beleza, mas de onde veio essa ideia de que a gente precisa estar inteirado sobre tudo o tempo todo? E pior, levantando um bandeira por tudo.

Eu já mudei tanto de opinião sobre tantos assuntos que cheguei a duvidar de mim. Será que eu sou tão vulnerável assim? Como se estar aberta para entender os outros lados fosse sinal de fraqueza.

Quanto mais eu vejo as pessoas cheias de certezas, mais eu chego à conclusão de que ninguém sabe de nada, porque não existe certo e errado. No fundo, tudo é uma construção nossa, tudo é uma opinião, um ponto de vista.

São tantas camadas de informações que, até chegarem na gente, já estão todas distorcidas. Quem nunca leu uma história no jornal, mas conheceu um amigo de um amigo que estava lá e disse que foi completamente diferente? Talvez tudo seja realmente relativo e a gente está brigando e julgando o outro simplesmente por estar enxergando as formas de outro angulo.

A única certeza que eu tenho, apesar de tentar desconstruir todas as certezas que eu criei, é que a gente não deve ultrapassar o limite de liberdade do outro. Então, se eu cumprir com esse papel que eu acho justo, ninguém pode me julgar por eu não ter uma opinião ou por não levantar a bandeira de algo que eu não tenho certeza.

fod

Às vezes eu me sinto incompreendida nesse mundo flaXflu entre esquerda e direita. Me criticam por eu ter ideias sociais de esquerda, feminista, puta, socialista. Me criticam por eu defender algumas ideias de direita, capitalista, fria, não pensa nos outros. Você tem que tomar uma posição para votar nas pessoas que vão governar o seu país, você é responsável por essa merda toda que você reclama.

Eu sei, eu sei que é importante. Mas até que ponto esse discurso não é mais da certeza mesquinha de alguém? Até que ponto isso é mais importante do que construir algo que eu realmente acredite, que faça realmente diferença na vida das pessoas, mesmo que em uma escala menor?

Por isso eu parei de ouvir o que eu tenho que fazer, sobre o que que eu tenho que saber, sobre onde eu preciso me informar. A gente lida com tanta informação que acaba virando um bando de informação superficial. Tem gente que consegue, tem tempo e adora se envolver com mil assuntos. Tudo bem. Eu só não acho justo que eu tenha que fazer isso também. Esse negócio de multitarefa não é pra mim. Eu adoro fazer nada, gente. E às vezes eu me julgo por gostar de fazer isso. Olha só que doentio.

E fora o trabalho de 8 horas por dia e minhas 8 horas de sono, sobram 8 horas para eu aprender alguma coisa nova, estudar sobre meu trabalho, ler um livro, conversar com meus amigos que moram longe, me divertir, cuidar do blog, ir pra academia, fazer nada…

Uma decisão sábia é filtrar quais informações você quer que cheguem até você e escolher qual delas você vai se aprofundar, sem tentar participar de tudo de forma superficial, sem ter certeza. E claro, sem julgar o outro por ele não querer se aprofundar nas mesmas coisas que você, só porque você tem certeza que é importante.

Eu tenho feito isso há um tempo e minha ansiedade tem me dado uma trégua. Aceitar não ter uma opinião e não sentir necessidade de estar a par de tudo te dá mais tempo de se aprofundar e pensar em coisas que você realmente quer. É mais produtivo e menos estressante viver assim,  pode apostar.

CONSELHO PARA TODAS AS MINHAS AMIGAS SOLTEIRAS: VIVAM.

7d1c271c71637a5c2e1c49762d0f0263

Toda mulher solteira já teve medo de ser solteira. Essa frase é muito esquisita, mas acredito que seja uma verdade para muitas mulheres. Eu mesma confesso que já passei por isso, mas hoje já enxergo a grande besteira que é sentir medo de ser solteira.

Se tentarmos entender a origem disso tudo, começaremos a filosofar sobre os inúmeros padrões que a sociedade estabelece e como isso afeta principalmente as mulheres, que desde pequenas se veem na obrigação de seguir o famoso “felizes para sempre” da Disney.

Bom, mas esse texto não é para indagar os padrões e nem tentar entender por que a sociedade é tão sacana com a mulher em alguns aspectos. Esse texto é para realmente tentar libertar essas mulheres solteiras que se sentem tão pressionadas.

Meu grande e precioso conselho para as minhas amigas solteiras é apenas um: vivam. Existem tantas coisas maravilhosas para se fazer quando se é solteira. Por favor, joguem essa carência pro lado, sacudam a poeira da necessidade constante de ter alguém com quem conversar no Whatsapp, e venham viver a vida com tudo o que ela tem de bom para oferecer.

Nem de longe esse é um texto para incentivar o desapego. Até porque seria um pouco esquisito alguém como eu desacreditar no amor. Não. Eu acredito muito na importância do amor pelo outro. Mas eu também acredito MUITO no amor próprio. É ele que nos move o tempo todo, que nos faz descobrir coisas novas, superar obstáculos, e enxergar o mundo de várias formas diferentes ao mesmo tempo.

Estar com alguém é realmente muito bom, não nego. Porém, estar sozinha também é extraordinário. E confesso que morro de aflição de ver esse monte de mulheres que simplesmente não conseguem passar um fim de semana sozinhas, que não ficam um dia sem trocar mensagens completamente banais com algum cara, que não têm nenhum medo na vida que vá além do pavor de ficar para a titia.

Garotas, acordem! Primeiro de tudo: o amor chega para os distraídos. Já repararam como as maiores paixões de nossas vidas batem na nossa porta quando não estamos esperando por elas? Pois é… Segundo: há milhares de coisas incríveis para fazer quando se é solteira. E calma lá que eu nem estou me referindo a sair pegando todos os caras que existem. Estou querendo dizer exatamente o contrário.

Estar solteira é poder fazer absolutamente o que quiser no fim de semana. Pegar o carro e descer pra praia sem dar satisfações, sair com as amigas para dançar e voltar de madrugada, ou simplesmente ficar em casa enfiada embaixo das cobertas vendo seu filme preferido pela milésima vez. É claro que também podemos fazer tudo isso quando estamos namorando, mas o gostinho sempre muda dependendo do nosso estado civil.

Porém, eu ainda acho que estar solteira é mais do que isso. Para mim, a maior vantagem de estar solteira é a autodescoberta que isso promove. É claro que ao nos relacionarmos com alguém também fazemos uma grande viagem dentro de nós mesmos, mas é quando estamos apenas em nossa própria companhia que desvendamos nossos maiores medos, inseguranças, e também descobrimos muitos dos nossos sonhos.

E não poderia ser diferente… Afinal, é na solidão que temos nossos momentos de maiores reflexões. Então, é claro que meu conselho não poderia ser diferente. Mulheres solteiras de todos os cantos, parem de se lamentar por não terem ninguém com quem dividir a xícara de café. Apenas vivam. Até porque se vocês querem tanto um “felizes para sempre” com alguém, é mais do que primordial terem um momento sozinhas antes disso. Só assim terão certeza de que estão plenas com si mesmas e prontas para dividirem uma vida quando encontrarem a pessoa certa.

Texto publicado originalmente no blog Para Preencher, nosso parceiro de conteúdo. Isso quer dizer que você vai encontrar textos do De Repente dá Certo por lá e textos do Para Preencher por aqui :)

O privilégio de não saber o que fazer da vida

Arte por Alpay Efe

Eu sei que não saber o que fazer da vida pode ser muito angustiante. Somos impactados por tantas histórias de pessoas que juntaram profissão com o propósito de vida e foram viver felizes para sempre que parece obrigação encontrar a nossa vocação e arriscar tudo por pela.

A questão é que eu vejo muita gente sem ideia do que fazer da vida, mesmo já sabendo o que faz seus olhos brilharem. E vejo outras que gostam de tantas, mas tantas coisas ao mesmo tempo que não querem se dedicar a uma coisa só. São pessoas do mundo, que preferem arrecadar experiências e histórias pra contar, preferem se dedicar a projetos pessoais, aprender, descobrir, viajar, amar. Inclusive, essas são as pessoas mais interessantes que eu conheço, porque elas olham pro mundo com vontade de absorver tudo que ele tem para nos oferecer.

E eu sinto que existe uma pressão tão grande para encontrarmos logo o que queremos fazer pro resto da vida que parece errado fazer as coisas só pelo prazer de fazer, de tentar, de curtir. Que medo é esse de perder tempo se estamos ganhando tanto por outro lado? Afinal, que obsessão é essa pela sucesso? Por que sentimos obrigação de ser o melhor em tudo que fazemos? Para mim, para obter sucesso em alguma coisa é preciso apenas concluí-la com prazer, nada mais.

Temos que ter em mente onde queremos estar daqui a 5 anos, mas nunca tivemos tanta oportunidade de fazer o que queremos. É um paradoxo. E fica difícil mesmo escolher um caminho só, traçar metas e alcançá-lo, porque escolher uma coisa, significa abdicar de todas as coisas. E se você tiver certeza do que quer, beleza. Vai fundo, porque vai valer a pena abrir mão de todas as outras coisas. Mas se você não tem tanta certeza assim, qual é o problema de aproveitar a vida com toda a intensidade, tentando viver tudo ao mesmo tempo, sem um objetivo?

Existem tantas formas de ser feliz e encontrar o propósito em coisas que a gente nem imagina. Às vezes o seu propósito é viajar mesmo, conhecer lugares e pessoas novas. Não é o que você mais gosta de fazer? Às vezes é tocar violão na sala, apresentar uma peça num pocket show. Às vezes não tem nada a ver com arte. Sua parada pode ser resolver problemas, ajudar pessoas a se desenvolverem, estudar, ensinar, conectar, empreender. E, vem cá, será que você precisa mesmo transformar essa paixão em profissão? Enquanto não tem dinheiro envolvido, ninguém pode te dizer como fazer.

E tudo bem também se sua vocação e propósito mudam de tempos em tempos, afinal, como disse o Guimarães Rosa no livro Grande Sertão: Veredas –  “O importante e bonito do mundo é isso: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas, mas que elas vão sempre mudando. Afinam e desafinam.

Pensando nisso, cheguei a conclusão de que quem não sabe o que fazer da vida tem o privilégio de não precisar viver com um objetivo e não há nenhuma inércia nisso, mas sim muito movimento. Você pode se dedicar a fazer uma coisa nova todos os dias. Pode encontrar talentos e vontades escondidos, pode descobrir o propósito na própria descoberta, sem medo do fracasso e sem o peso de obter êxito. E é assim que você vai descobrir que as coisas que fazemos sem expectativas, imersos no processo, são as mais verdadeiras. São as que realmente valem a pena.

Vai lá e morre cheio de razão

Desde pequeno tendo a levar frases à exaustão buscando seus diversos significados e aplicabilidade em minha vida.
Há pouco tempo, ouvi a seguinte frase de um parente após uma corriqueira reclamação de almoço sobre quase ter sido atropelado numa faixa de pedestre com o sinal aberto para mim: “vai lá e morre cheio de razão”.

No momento aquilo significava apenas um “não morra atropelado só porque está certo”, mas com o passar dos dias me peguei expandindo a frase para diversas esferas da minha vida e me gerando muitos questionamentos.
Quando foi que a razão passou a nos guiar e abafar e suprimir nossas emoções?

Quando começou a valer não estar com o cara que você ama só porque ele fez algo que você considera imperdoável? Quando foi que deixamos de falar com um amigo pra manter nosso posicionamento após uma briga? Quando foi que a gente achou normal não vestir o que realmente queríamos por achar que não temos corpo, atitude ou que estávamos muito “piranhas” ou muito “viados” para? Quando foi?

Não sei em que momento isso se deu. Mas tomando consciência desse comportamento corrosivo, decidi que não quero ir lá e morrer cheio de razão. Prefiro estar errado e ter a amiga. Prefiro não ter a razão ou o famoso “senso” e me vestir como quiser. Prefiro não ter o orgulho, mas ter a pessoa que eu amo ao meu lado. Prefiro a felicidade à razão. E essa não é subjetiva. E ninguém me tira.

Vou lá e morro, aliás, vivo, cheio de felicidade.

Nossos lobos internos escondem-se atrás de canecas cheias de café

Arte por Matthew Grabelsky

E esse lado ninguém conta…Acordamos todos os dias e já queremos colocar aquele sorriso na cara. Queremos colocar nossa roupa mais descolada ou nosso terninho que já vai impressionar logo no metrô. Queremos ser os bem humorados, os queridinhos no trabalho, que cumprimentam a todos com um expresso na mão do Café Mc Donald’s e já sentamos querendo multiplicar cada segundo em foco e em produção.

Queremos aflorar nosso lobo branco. Queremos sempre estar atentos ao nosso, mas sempre sendo o grande opinador e influenciador. Adoramos um brainstorming, mas aquele papo de que todos falam e compartilham ideias é furado. Queremos as nossas idéias sempre em destaque e influenciando os que estão ao redor, mas claro, de maneira sutil e sem que ninguém perceba.

Queremos ser líderes. Sempre achamos que já estamos prontos e preparados para isso. Afinal, existe algo melhor do que estar na rodinha de nossos amigos e poder contar do bônus gordo que ganharemos, ou da empresa descoladinha que estamos trabalhando ou do novo coworking que estou frequentando? Queremos nos profissionalizar sempre…

Acumular Mba’s no currículo e indicar bons livros aos amigos. Queremos tanto tudo, que tentamos esconder aquelas aulas faltosas de nossas especializações porque não dá nem tempo para ir. Ou, sejamos sinceros, fazemos por fazer. Nascemos prontos, somos donos do mundo. Ou melhor, achamos isso.

Nosso lobo preto, não deixamos ninguém ver. Não deixamos ninguém perceber a ansiedade que nos engole a cada dia e a cada tarefa, querendo que tudo dê certo ou seja o auge. Ou melhor, achamos que ninguém percebe. Quando, na verdade, nós não percebemos nossa própria bipolaridade. Queremos o novo sempre, e o crescimento para ontem.

Mas o mundo não gira em torno do nosso umbigo. Angústias pela espera se afloram. E não conseguimos gastá-las na corridinha da Nike, porque queremos ser os profissionais que saem as 21:00 horas do trabalho e mandam email de madrugada, querendo provar o nosso bom desempenho. Só esquecemos que essas coisas não devem ser forçadas. O lobo negro tem stress. Muito stress. Mas e daí? Meu amigo está com problema na coluna e o outro com enxaqueca constantes. Natural da nossa geração.

Já na faculdade queremos o nosso intercâmbio. Nós formamos tarados em saber todos os processos de trainees ou em quais são as atuais oportunidades para que minha empresa nova dê um salto. Não fazemos acompanhamento com psicólogos. Fazemos coaching. Apesar de achar que nunca precisamos.

Acordamos de madrugada pensando na auditoria que teremos e que precisamos ficar entre os top five na nossa Cia super influente no mercado. E apesar da noite mal dormida, reiniciamos o ciclo, e acordamos, querendo colocar aquele sorriso na cara e o terninho de marca como se nada tivesse acontecido. Começamos novamente o dia com aquele bom dia de jovens promissores e futuros talentos. E quem irá nos provar o contrário? Preferimos conviver com nossos cabelos caindo de forma precoce do que aceitar que precisamos tratar nossos lobos negros.

Pra que tanto drama?

Perceba. Olhe ao seu redor. Seja no ambiente familiar ou mesmo profissional, ser equilibrado – ou buscar pela neutralização dos polos – não é mais interessante. Ser, no mínimo, tumultuado é que está em alta. É “cool”, excêntrico, desafiador e garante uma série de “likes” nas redes sociais. E talvez você ache que a minha fala ultrapasse o politicamente correto e que eu também queira (só) chamar a sua atenção.
Como diria o escritor francês André Gide, com bons sentimentos não se faz boa literatura. Essa constatação não se aplica apenas às artes, área na qual é poético ter transtornos psíquicos ou uma certa dose de melancolia que seja, mas também se refere à nossa rotina, rotina essa que na maioria do tempo é pouco atraente, infeliz ou mesmo indiferente aos olhos dos outros.
Sem sombra de dúvidas, a complexidade da alma é altamente instigante, mas só até a página 2. Afinal de contas, seus personagens preferidos da ficção dariam péssimos vizinhos. Então, sem banalizar as questões humanas mais profundas, porque a dor é cada vez mais glamourizada nos dias atuais?
É claro que os dramas de Pedro Almodóvar são essenciais para fazer pensar além da caixinha. A depressão de Wood Allen pode parecer favorável aos seus filmes, mas, no dia a dia, não dá pra dispensar o “água com açúcar” das novelas mexicanas, caso contrário, tudo seria pesado demais. Insustentável até para os mais leves dos seres.
Por isso, o entediante, no melhor dos significados, talvez seja fugir dos extremos comportamentais. Ser um bom equilibrista na corda bamba das emoções e dos sentimentos a que estamos sujeitos, com períodos alternados de equilíbrio, inconstância, alegrias e tristezas.

Por que o conselho “apenas faça o que você ama” pode ser tão ingrato?

grnade

É insensível e talvez até ignorante (no sentido de ignorar) afirmar que nossa geração é mimada, perdida e vive no mundo da ilusão. A verdade é que tem muita gente fazendo e criando muita coisa foda por aí. E digo mais, aqui no Brasil mesmo. Hoje, como eu já falei mil vezes em outros textos, temos a Internet, essa maravilhosa rede que nos conecta com qualquer pessoa do mundo. E hoje tudo que a gente precisa pra começar qualquer coisa é de uma rede wifi e uma ideia.

Vou dar alguns exemplos próximos de mim, de pessoas que eu conheço e abriram seus negócios não para apenas ganhar dinheiro, mas por acreditarem em uma ideia. Nem sempre esse seu negócio vai trazer dinheiro de imediato ou sucesso instantâneo, mas vai trazer motivação pra continuar criando e existindo e não sofrendo para chegar logo o fim de semana. Minha melhor amiga é urbanista e criou junto com outras amigas um coletivo chamado MOB, Movimente e Ocupe seu Bairro, e a ideia é deixar os espaços mais agradáveis para se habitar.

Read Article

O triste fim do romantismo

Foto por Roman Filippov
Foto por Roman Filippov

Não sei bem quando, como ou por que ele foi exterminado. Ex-ter-mi-na-do, palavra que por si só tem o poder da sua ação. Não poderia escolher outra, menos forte, para anunciar o iminente fim desse estado de espírito capaz de produzir as mais belas frases de amor, paixão, loucura e tristeza: o romantismo.

Exterminado do jornalismo, das escolas, das amizades e, principalmente, dos relacionamentos amorosos.

Isso mesmo, não somente dos amorosos. Passei a adolescência escrevendo e recebendo cartas das minhas amigas, com declarações de amizade e elogios. Eram muito bem decoradas, com letras em várias cores, adesivos e beijos de batom – tão afetivas! Vocês, que viveram isso, se lembram da sensação? Às vezes chorávamos de emoção.

O jornalismo literário era puro romantismo, até nas tragédias. Bons tempos de Nelson Rodrigues, que não foi meu tempo, mas eu li muito. Certa vez, ele teve que escrever sobre um incêndio. Ninguém se feriu, nada muito relevante aconteceu, seria uma nota qualquer. Porém, estamos falando de um jornalista romântico. Nelson inventou um passarinho, que havia ficado preso e teve um resgate emocionante. Depois, vários leitores escreveram ao jornal para saber mais detalhes do tal passarinho, todos comovidos pela história e apaixonados pelo seu personagem. “Danem-se os fatos.”, às vezes ele dizia e levava a sério – Obrigada!

Quanto ao romantismo nas relações amorosas, também preciso citar Nelson Rodrigues. Ele é o principal responsável pelo meu romantismo. Li suas crônicas durante toda a minha adolescência, além do livro “Não Se Pode Amar E Ser Feliz Ao Mesmo Tempo”, assinado pelo seu heterônimo, a conselheira sentimental Myrna. “Sofrer pela criatura amada – não é um mal, é quase um bem. Você conhece tristezas mais lindas, mais inspiradoras, do que as tristezas do amor?” – é uma das minhas frases preferidas do livro. Pois é, agora calculem o quanto eu sou romântica.

Sobre o romantismo na escola, na minha época o dia dos namorados era um evento. Os meninos, anônimos, deixavam presentes para as suas paqueras (hoje crushs). Eles chegavam mais cedo na sala de aula pra isso, vocês têm noção? Os dias que antecediam eram tensos, as meninas confabulavam nas aulas e no recreio sobre os possíveis admiradores secretos. Chegado o dia, o burburinho era ainda maior. O coração acelerava quando víamos um embrulho em cima da nossa mesa. Depois, todas reunidas, cada uma se gabava do seu presente e palpitava sobre os alheios. Quando me lembrei dessa tradição romântica, fui perguntar à uma amiga da época se as suas irmãs, ambas com 14 anos e que estudam em escolas diferentes, vivenciaram o mesmo. As respostas:

“Não, só se for de fato namoro.”

“Não, eu acho o dia dos namorados uma data ridícula, para a indústria lucrar com o amor. E os meninos que eu conheço pensam isso também.”

Nããããão… Nããããão moçada! Aonde vamos parar sendo assim tão racionais?!!

Com o imediatismo da Internet, acabamos trocando muitas palavras… vazias. Valorizamos mais as nossas próprias cobranças e inseguranças do que o amor que damos e recebemos – como deve ser – gratuitamente. Estamos mais preocupados com o status online do que com o relacionamento propriamente dito.

A ausência dá espaço ao imaginário. Antes da Internet, nós tínhamos tempo de romantizar mentalmente, por dias, meses e anos. Uma troca de olhar e poucas palavras, na padaria ou na locadora de filmes, eram suficientes para semear um romance imaginário de meses. Hoje, não tem locadora de filmes e tem Tinder. Não trocamos olhares, apenas pelo reflexo de nós mesmos na tela do celular, ou na selfie.

Passamos tempo de mais no feed.

Antes da Internet, tinha saudade. Hoje tem Skype, FaceTime, What’s App… Antes tinha carta, a gente escrevia e escolhia as palavras com carinho. Hoje não conseguimos nem enviar um parágrafo por mensagem, cada pequena frase é separada por um send. A saudade alimentava o nosso imaginário, nosso romantismo.

Ah, se essa juventude soubesse do prazer em escolher belas palavras e presenteá-las a quem se ama… E se não forem palavras, que sejam olhares, flores, desenhos…

“Viver é desenhar sem borracha.”, disse Millôr Fernandes. Podemos ficar desenhando cubos ou nos arriscar em traços mais belos, que nem sempre sairão firmes ou corretos. Mas o que é correto tratando-se de algo tão abstrato como a vida? Arrisquemos mais em desenhar com alma.

O que é isso senão o romantismo?

Sobre visões nada a ver e ser solteira

Esses dias li uma frase que achei bem legal e me fez pensar em algumas coisas. Ela dizia: “Você chega em casa, faz um café, senta na sua poltrona favorita e não tem ninguém…Você decide se isso é solidão ou liberdade”. Esse texto podia ser sobre perspectivas e formas de se encarar determinadas coisas, mas não é. Esse texto é sobre relacionamentos, ou melhor, a falta de relacionamentos (amorosos, no caso). Eu não sei se é errado falar isso e, sinceramente, eu não sei nem se me sinto confortável em dizer, principalmente porque geralmente quando uma pessoa fica reafirmando uma coisa demais, na verdade ela acaba falando o contrário. Mas, para fins, digamos, de consistência textual, acho que vale a pena arriscar — Eu sempre achei que ser solteira tinha lá suas grandes vantagens. E sempre achei que não ter ninguém atrelado à você te abre um leque bem legal de possibilidades. Resumindo, ser sozinha tem um quê libertador que acho necessário pra qualquer pessoa, pelo menos em algum momento da vida. Só que no meu caso não é só um momento, ou pelo menos é um momento que busco prolongar muitas vezes. Não, eu não to desiludida com a vida ou com ninguém pra tá escrevendo esse texto e não, eu não sou revoltada-contra-casais-e-relacionamentos-só-porque-não-tenho-um. E também isso não quer dizer que quero morrer solteira e não quero me relacionar com ninguém nunca mais. Calma. Vamos por partes.

Conversando com uma amiga um dia desses sobre relacionamentos — e acho que vale a pena dizer que essa minha amiga pensa que nem eu e, sim, é solteira também, nós acabamos comentando sobre um conhecido que praticamente emendava um relacionamento no outro (quem não tem um(a) conhecido(a) assim que atire a primeira pedra). Mas o que mais encucava a gente é que esse conhecido pratica o que considero o fenômeno-da-pessoa-que-namora-pelo-simples-ato-de-namorar. As pessoas que aderem a esse fenômeno não namoram porque encontraram uma pessoa bacana e têm vontade de partilhar a vida com ela, mas sim porque simplesmente: 1. “chegou a hora” ou 2.“não aguentam ser solteiros” (tem também o 3. “estamos ficando há muito tempo e acho que temos que começar a namorar”, mas esse eu prefiro não comentar. Regras de etiqueta relacionamentais nunca foram muito o meu forte). Não vou me estender muito no motivo número 1 porque eu não tenho muito o que argumentar sobre isso além de não entender como se dá essa epifania da hora exata que se deve namorar, mesmo que seja com a primeira pessoa que surgir pela frente. Será que temos um timing biológico embutido tipo o do mito da idade certa pra engravidar só que pra relacionamentos? Que meio que nos avisa qual a hora certa pra largar as baladas hétero que tocam Oração? Ou será que o valor do saldo da conta corrente é diretamente proporcional à tomada dessa decisão? Fica o questionamento.

Mas é o motivo 2 que acho que me intriga mais. É que eu nunca entendi muito bem esse negócio de não aguentar ou sustentar uma vida de solteiro(a). E eu já ouvi isso de muita gente. Eu e minha amiga chegamos à conclusão que na verdade o que exatamente não se consegue sustentar é apenas uma pequena parte que as pessoas encaram como um todo. Ir pra balada todo final de semana, pegar todo mundo, despirocar geral e acordar de ressaca todo domingo podem fazer sim parte da sua vida de solteiro, mas ela não precisa se resumir a isso. Nós não somos uma seita que só aceita gente baladeira e despirocada e que caso você queira ficar em casa de boa vai levar advertência. E eu acho que é isso que muita gente não entende. E acha que pra poder ficar em casa, ir no cinema, comer umas coisas gostosas, fazer “coisas de casal”, você, necessariamente, tem que ser, bom… um casal. Porque se você é solteiro você não pode fazer essas coisas. Você tem que ir na balada que todo mundo tá indo. Você tem que postar a música Oração no snapchat (parei). Você tem que bombar seu insta. Você tem que dar pt quase todo mês. E você, principalmente, tem que pegar uma ou várias pessoas nesse meio tempo. E, realmente, se for pra ser assim, acho que ninguém sustenta. E eu digo ninguém mesmo.

Parece que recebemos um manual de instruções sociais que restringe o que você pode ou não fazer quando solteiro ou namorando. Só que não é assim. Ser solteiro também pode ser ficar em casa sozinha(o) vendo besteira na internet, vendo um filme/série debaixo do cobertor. Ser solteiro também é ir no cinema, é comer pizza no domingo, é ficar de boa. Você não precisa namorar pra fazer essas coisas. Assim como você também não precisa ser solteiro pra ir pra balada e beber todas.

Eu tenho uma amiga que namora há muitos anos e tem um relacionamento ótimo, e ela diz pra mim que ela precisa ter um me time pra fazer as coisas dela, ver Kardashians sozinha sem ninguém julgar etc. E eu acho que ser solteiro é ter me time 24h. Seja na balada ou em casa. Seja maquiada de salto 15 ou de pijama com a meia furada. É maravilhoso ser solteiro quando você entende que não é nada além de simplesmente ser você e fazer o que você quer. É maravilhoso namorar quando você entende a mesma coisa. Os dois podem ser ótimos, desde que aconteçam naturalmente, sem planejamento nem data e hora marcada pra fazer x ou y. Sem regras implícitas que você inventou na sua cabeça e acha que é o normal. E parar de deixar isso reger sua vida, como se seu estado civil determinasse todas as decisões e experiências que você deve ter. Calma, é só um rótulo pra organizar a galera. Você quem decide se é solidão ou se é liberdade.