Deixa ele pra lá

Arte por Phazed
Arte por Phazed

Sexta-feira, 21:15h. Sapato, bolsa, documento, chaves. Eu já tava saindo de casa quando meu celular me chamou, pedindo pra eu olhar aquela mensagem acabada de chegar.

“Oi, hum. Desculpa, não vou conseguir ir hoje… Um amigo apareceu aqui, e fiquei enrolado.”

Um amigo apareceu aqui e fiquei enrolado. Um parente veio do interior e vai ter um jantar de família surpresa que ninguém sabia. Meu melhor amigo levou um fora da namorada e precisa sair pra conversar. Queria que as campanhas de cerveja aqui no Brasil, tivessem esse nível de criatividade.

Sorte que não passei rímel, pensei. Se eu tivesse passado, o desfecho dessa história seria um pouco mais agressivo. Sim, porque o rímel é a cereja do bolo na produção e depois que o pincel acaricia suavemente os seus cílios, te fazendo subir todos os degraus da escada do glamour, é bem brochante ter que tirá-lo logo em seguida pra… dormir. É um tombo, um tapa na cabeça. A não ser que você queira deixar sua fronha manchada e seus olhos vermelhos. Mas nada disso vem ao caso.

Não era a primeira vez que ele fazia isso, e eu sabia que também não seria a última. Há um certo tempo, já percebia que eu dava mais importância pra nossa história, do que ele. Mas eu não conseguia me desprender de nossos encontros, porque eu gostava dele e quando ele vinha pedir desculpas e me chamar pra sair de novo ele conseguia ser tão fofo. Sim, ele é meio quieto e misterioso, mas é o jeito dele. Eu gosto assim.

Vesti um pijama e entre dormir ou ligar o Netflix, decidi comprar uma garrafa de vinho e chamar minhas duas amigas-irmãs para darmos risada de todos os caras que furam em cima da hora e mandam mensagem no dia seguinte pedindo “nudes”, como se nada tivesse acontecido. Frustração pouca é bobagem.

Mas tem o tempo né, ele sempre passa.
E faz a gente pensar em algumas coisas que antes não pensava.

Cheguei na festa de aniversário de uma amiga algumas semanas depois, e ele tava lá. Era um amigo em comum. Acho que dos amigos dela. Bem, você entendeu. Logo que ele me viu seus olhos brilharam e ele acenou com a cabeça. Respondi com um sorriso, até que verdadeiro. Cumprimentei algumas pessoas que se encontravam perto de mim na entrada, pedi uma cerveja no bar, não circulei pelo ambiente como costumo fazer. Não fui até ele.

Olhei para trás, percebi que ele tava sozinho. E olhando pra mim. Com um sorriso frouxo, aquela cara de cão sem dona que ele adora fazer. Eu iria lá. Eu daria um beijo no canto da boca dele e faria uma piadinha boba com a nossa história efêmera, só pra ele achar que eu não me importo tanto assim com os furos que ele dá. Pra ele achar que eu sou leve e que topo esse nosso esquema moderninho de sair só quando dá na telha, só quando é conveniente pranós. Ruim? Não, jamais poderia ser. Ele me abraçaria como fez das outras vezes, me beijaria, me esquentaria, me levaria pra casa, e eu me sentiria tão… tão, é…

Tão o quê?

Calma, se eu me esforçar consigo explicar. Ah, esquece… com a cerveja subindo, jamais conseguiria. Quer saber? Acho que tô de boa. Deu preguiça de tentar entender, preguiça de tentar explicar o que sinto quando estamos juntos. Muito mais preguiça de ir até lá falar com ele, interpretar uma personagem que eu não sou, encher meu coração com uma alegria de R$1,99 que duraria só até o próximo perdido dele e acordar esse gigante que já tá aqui quase caindo numa sonequinha boa.

“Ju, estamos indo embora. Quer vir com a gente, ou vai mais tarde?” – uma amiga chamou. Entrei no carro dela, ele ainda me olhava de dentro do bar, agora com um ponto de interrogação no lugar do rosto. Ah, moço… Eu adoraria ficar mais um tempinho com você, mas bateu essa preguiça que nem com criatividade de publicitário eu saberia te explicar. Amanhã acordo cedo.

Esse texto é do site “Vamos pra Vênus“, nosso novo parceiro de conteúdo! Isso quer dizer que trocamos textos e vocês podem ler um pouco de De Repente dá Certo lá e um pouco de Vamos pra Vênus aqui! <3 

Vamos pra Vênus

Juh Batah é a criadora do do blog Vamos pra Vênus, designer, ilustradora e webwriter.

2 comments

  1. Maravilhoso!

  2. Amei

Deixe uma resposta