É preciso estar aberto para as oportunidades

Quarta-feira foi a abertura da ArtRio, uma feira de arte contemporânea que acontece todo ano no Rio e, por causa disso, o Consulado da França resolveu fazer uma festinha/coquetel no hotel Caesar Park, que fica na Vieira Souto em Ipanema, ou seja, bem de frente pra praia, no rooftop. Essa festinha era pra homenagear o artista Claude Viallat, por isso, era também uma super exposição com obras dele.

Eu nunca sou convidada pra esse tipo de evento, mas escrever sobre arte e cidades no blog tem me aberto um mundo novo e eu nunca conheci tanta gente diferente de mim em tão pouco tempo. A maioria da galera saiu da abertura da ArtRio e foi direto pro lá.

A festa estava cheia de gente chique, elegante, entendedores e admiradores de arte. Era óbvio que eu, de calça jeans e bota, não fazia parte daquele ambiente de terno, salto fino e vestido, mas nada que um vinho branco e umas caipirinhas não tenham resolvido. Tinha um buffet incrível, só com comida maravilhosa tipo salmão e camarão. Eu nem saberia descrever os pratos, de tão elaborados que eram. Tinha um mesa de doces do estilo que eu nunca vi antes, só coisa realmente muito fina.

Em pouco tempo eu já estava dançando e conversando com as pessoas. Essa é a mágica que acontece quando as pessoas bebem e a aumentam o volume da música. Todo mundo se sente mais confortável, né? Até que eu comecei a conversar com a mulher mais estilosa da festa. Cabelão cacheado, jaqueta com estampa de um grafiteiro (que ela não lembra o nome) e um coturno com salto giga. Ela, com o maior sorrisão, foi toda simpática e começamos a conversar sei lá sobre o quê. Tem gente que passa empatia de imediato. Sabe quando bate? Você só quer continuar ali conversando com a pessoa, tentando entender mais sobre ela.

Elsaine era uma mulher independente, divertida, mente aberta e que adora Louis Vitton. Quando ela me falou isso, eu não imaginava que ela era a maior compradora de Louis Vitton do Rio (foi mal galera, não consigo evitar de dar um Google em toda pessoa nova que eu conheço). É claro que essa é uma realidade completamente diferente da minha, já que eu só tenho uma bolsa que comprei na forever 21 e uma mochila que já está caindo aos pedaços. Eu não ligo mesmo pra sapato e bolsa. Mas a Elsaine, em vez de ser aquelas pessoas esnobes, tinha uma energia incrível e boas histórias. Combinamos de ir na ArtRio, inclusive ela me deu o ingresso vip dela quando eu falei que queria escrever sobre a feira aqui no blog. Quase morri de amor. Falou que eu tinha que conhecer o Beto, que faz parte da organização e é um adorador de arte. A troca com as pessoas existe em tantos, mas tantos níveis que a gente nem imagina. Conhecer alguém novo, em qualquer situação que seja é sempre especial se a gente estiver aberto. Como eu já falei aqui mil vezes, se conectar com pessoas é o nosso maior trunfo.

Conversei com mais mil pessoas, tirei foto com a Vanessa da Mata, descobri que o Caesar Park vai deixar o rooftop aberto ao público no verão. Isso mesmo. De graça, e a gente paga apenas o que for consumir lá em cima. E de repente eu não me senti mais totalmente desconfortável naquele ambiente cheio de pessoas ricas e famosas e colecionadores de arte.

Quanto mais eu me desafio a sair da minha bolha, dos lugares que eu vou sempre e daquilo que eu chamo de realidade, eu me surpreendo. É claro que o blog tem me ajudado a ir a lugares que eu nunca iria, mas de vez em quando eu me proponho fazer alguma coisa totalmente diferente e a experiência é sempre rica. A gente fala tanto de viajar, conhecer novos lugares e novas pessoas, mas às vezes dá pra fazer isso na nossa cidade. Vá a um forró, se você não curte forró, vá a um show de algum cantor desconhecido… Sei lá. É difícil sair dessa zona de conforto, porque dá preguiça, mas a experiencia é tão rica. O mundo tem tanto a nos oferecer, mas a gente insiste em olhar sempre pro mesmo canto.

Eu entendo ter preguiça das pessoas. Eu tenho isso diversas vezes, diversos dias. Mas você sabe que existem pessoas fodas por aí que vão te arrancar uma gargalhada quando você menos esperar, que vão te emocionar, te inspirar, que vão te surpreender de alguma forma. Mas isso só vai acontecer se você estiver aberto pro novo. E o novo é sempre dá frio na barriga.

Marcela Picanço

Criadora e editora do De Repente dá Certo! Este blog é um mapa de onde minha imaginação foi. Agora, o caminho é de vocês. Sejam bem-vindos! Pra saber mais é só clicar ali em cima no: "Quem escreve essas coisas?"