Guia prático para curar dias ruins e/ou sair sozinha da bad

Arte por Shang Chengxiang
Arte por Shang Chengxiang

Vez ou outra a gente é agraciado com um daqueles dias que não deviam nem ter começado. Tipo desventuras em série. Você acorda se sentindo estranha, sai de casa sem o guarda-chuva e começa a chover, dá aquela treta master no trabalho, você briga com alguém que ama sem querer, seu celular quebra e tudo isso antes das três da tarde. Acontece. Eu passei uma vida inteira me sentindo muito sortuda por  raramente ter um dia tão ruim que me deixasse realmente na merda, mas recentemente passei por umas barras (alôu saturno) e comecei a sacar que não é tanto o dia ruim, mas a maneira como a gente reage a ele. Se você está numa fase ótima, dá aquela raivinha mas logo passa. Se você já está mais ou menos, esses contratempos tendem a parecer maiores e a te deixar mais mal do que deveriam.

 E daí eu percebi que um dia ruim podia levar a outro dia ruim, e logo eu perdia metade de uma semana feeling sorry for myself. Não é legal e pode escalar pra um quadro mais sério de ansiedade e até depressão, então eu desenvolvi um pequeno ritual pra cortar o mal pela raiz. Assim que me dou conta de que estou me entregando a um dia ruim, coloco esse pequeno plano em ação.

 Não quer dizer que ninguém esteja autorizado a curtir uma fossa master, daquelas em que você passa 48h sem contato com o mundo exterior pedindo pizza e não penteando o cabelo – essas fossas cumprem um papel –, mas é bom embarcar com parcimônia. Você pode inclusive usar o meu guia pra quando achar que já deu desse comportamento. Vamos? Então vamos.

 1) Arrume a sua cama. Mas arrume mesmo, como se estivesse fazendo isso pra outra pessoa, ou num hotel. Se possível troque os lençóis. Afofe os travesseiros, coloque aquela almofadinha bonita no meio, passe um pouquinho de perfume (lavanda!) na fronha. Daí deixa ela lá bonitinha pra mais tarde.

2) Arrume a casa. Não precisa ser a casa inteira, mas algum pequeno projeto de arrumação. Pode ser lavar a louça, se tiver muita acumulada na pia. Pode ser arrumar a sua gaveta de lingerie. Organizar uma parte do seu armário por cor (aproveita e já separa umas coisas pra dar). Algum projetinho que vá te deixar orgulhosa de si mesma ao final.

 3) Coloque uma música, acenda uma vela e tome aquele banho espetacular. Aquele banho que você toma quando tá de férias em hotel bacana. Aquele banho em que você deixa o shampoo agir por alguns minutos e o creme também. Em que você esfolia o pé. Enfim, um banho demorado e bem aproveitado.

4) Findo esse banho, você vai usar todos os cremes que tiver à sua disposição. Aqueles que você comprou e tem preguiça de usar, aqueles que você nem nunca experimentou, aqueles que você nem sabe pra que servem. As amostrinhas. Junte tudo e escolha um kit. Hidrate os pés, as mãos, os cabelos, o rosto, as olheiras, as unhas. Aproveita e faz aquela massagem gostosa em você mesma.

5) Se ainda houver tempo e disposição, finalize a sessão de cuidados com algo a mais: pinte as unhas, faça um babyliss ou uma escova, limpe as sobrancelhas, sei lá. Qualquer ritual de beleza que você curta e que vá te fazer sentir mais bonita ao final. Eu curto muito cortar as pontinhas do cabelo e depois secar com o secador – dá aquela ligeira mudada de cara.

6) Daí você vai botar o seu melhor pijama ou camisola ou hobbie. Pode botar uma roupa confortável que você ame também. Algo que você não usaria pra ficar em casa normalmente, ou que você só usa em ocasiões especiais.

7) Agora que você lembrou que é linda e poderosa e capaz de cuidar das suas coisas e de si, você vai se dar um brinde. Um drink pra quem é de drink (pra mim é vinho ou whisky), um beck pra quem é de beck ou simplesmente uma comidinha gostosa que você mesma pode preparar ou pedir. Ou os três. Nesses dias eu prefiro pedir  uma comida, pra me sentir mimada.

8) Acertada essa questão dos comes e bebes, você vai escolher uma forma de entretenimento que te acalme. Eu acho que nessas horas tem que ser uma coisa que você já ame e que te deixe de bom humor. Aquele filme favorito que você já viu mil vezes, aquele livro que você ama e sempre quis reler, aquela série da adolescência. Se for série, você pode puxar pela memória um top 5 dos episódios e assistir só esses, pra matar as saudades. Se for livro você pode ir procurando seus trechos favoritos e fotografando com o celular pra poder reler sempre. Se não estiver a fim de absorver nenhum conteúdo, você pode pegar uma folha, uns lápis de cor ou giz de cera ou whatever e rabiscar a esmo.

9) Antes ou depois dessa sessão de entretenimento (eu prefiro depois, com a mente descansada), você pega papel e caneta e faz uma lista de afazeres para o dia ou a semana seguintes. Isso ajuda a aliviar a ansiedade e vai te fazer dormir melhor.

10) Quando o soninho bater, sua cama incrivelmente bem arrumada vai estar lá te esperando para o sono dos justos, e eu tenho certeza que você vai ter quebrado o ciclo das bad vibes.

 Parece muito, mas nem é. Basicamente o que você precisa pra não perpetuar essa sensação de “I’m a loser baby” é lembrar que você consegue dar conta do seu entorno e de si mesma, que as coisas não estão tão fora de controle assim.

Luiza Vilela

Luiza S. Vilela tem 28 anos e mora no Rio, mas antes disso nasceu em São Paulo, foi criada em Vitória e viveu uma história de amor com Leeds, na Inglaterra, e outra com Providence, no Estados Unidos. Fez graduação em Letras na PUC-Rio e estudou poesia contemporânea no mestrado por lá também. É escritora, tradutora e consultora textual freelancer, contribui com muito orgulho pra Revista Capitolina e acredita no poder da literatura acima de todas as coisas | www.luizaescreve.com

  • Hoje foi dos dias em que eu ouvi Beck. Aí vim aqui e li isso.
    A gente nunca foi amiga, mas nossos astros se esbarram às vezes. Tenho certeza, Luiza!

    beijos e obrigada.
    (ainda tentando pensar no que farei sozinha mais tarde, marido viajou. já sei que tem 3 eps atrasados de scandal)

    • Acho que sim, Paula! E agora que estou fazendo análise sempre em você, porque minha analista é novinha e me ajuda TANTO. Fico imaginando você novinha ajudando tanto outras almas. É sempre difícil ser jovem em qualquer profissão, mas a sua mais ainda – fico pensando em como alguém que ainda está se entendendo consegue ajudar os outros a se entenderem. Acho que é porque estamos juntos no processo, né? Enfim, acho que você deve se orgulhar muito disso. Eu quando escrevo qualquer coisa que ajuda ou causa a mínima identificação em alguém já fico tão tão feliz.

      Tenho certeza que a sua noite só vai ser delícia <3

  • ótimo conteudo e ótimo site. Muito bom !!!

  • oi gente
    gostei muito desse site, parabéns pelo trabalho. 😉