Mitos e verdades sobre morar sozinho

Mito: Você vira dono do seu próprio nariz.
Verdade: Você realmente tem que tomar mais conta do próprio nariz (como todas as outras partes do seu corpo, já que não tem a mãe para “lembrar” sempre daquelas consultinhas no médico), mas enquanto você não se banca totalmente sozinho e/ou ainda pede socorro para os seus pais quando a coisa aperta, metade do seu nariz ainda é deles.

Mito: O apartamento está sempre pronto para festinhas e reuniõezinhas.
Verdade: É muito gostoso receber os amigos em casa, mas só quem mora sozinho sabe o quanto é chato ter que limpar toda sujeira no dia seguinte. Um simples vinho entre você e mais três amigos consegue mudar todos os móveis da sala de posição. E na grande maioria dos casos, a faxineira só vai uma vez por semana. Então, o jeito é maneirar.

Mito: Você não tem que dar satisfação para ninguém.
Verdade: Seu pai, sua mãe e sua não vão parar de te ligar (ainda bem!). Se eu não ligo por dois dias, eles falam que eu estou sumida, ou aprontando alguma coisa. Acredito que só não precisamos da satisfação para os pais, quando de fato viramos pais. Enquanto isso, você vai continuar recebendo ligações e eles vão querer saber “onde é que você vai”. Uma coisa é verdade e é uma delícia: não é preciso mais chegar em casa na ponta dos pés.

Mito: Você é rico.
Verdade: Na verdade, estamos quase sempre pobres. Por mais rico que uma pessoa seja, em alguns dias do mês, a grana fica curta. Principalmente depois do aluguel. É sentir no bolso e de fato dar mais valor para o teto que te cobre, o cobertor que aquece e o papel higiênico que limpa. Se eu pudesse resumir a sensação, diria que morar sozinho é ter que comprar o próprio papel higiênico. Quando moramos com a família, tem sempre um reserva no armário. E nem sabemos como ele chegou até ali.

Mito: Você não vai ter que se preocupar sobre o que o seu porteiro pensa de você.
Verdade: Conquistar a simpatia do porteiro é muito mais importante do que parece. Primeiro, porque é ele que toma conta do seu prédio, das suas contas e é a primeira pessoa que um vizinho recorre caso precise fazer alguma reclamação de você. E segundo: um bom dia educado dele pela manhã faz toda a diferença.

Mito: Tem sempre uma vizinha velha e chata.
Verdade: Tem sempre uma vizinha velha e chata.

Mito: Você vai aprender a cozinhar e a lavar roupas.
Verdade: Aprendemos um pouco a lidar com o fogão (ou morremos de fome). No meu caso, não sobra muito tempo para aprender receitas e inventar, então apelo sempre para delivery e comidinhas fáceis. Só almoço fora de casa e minha parte na geladeira é mais vazia que geladeira de igreja. Quanto as roupas, a máquina de lavar é a criação mais linda do mundo (junto com os lençóis de elástico!). Você aprende muito bem a esticar as roupas no varal em quinze segundos e a economizar sabão em pó. Ô, coisa que é cara, viu.

Mito: Você sai do supermercado cheio de sacolas. E isso é super legal.
Verdade: Se você mora com várias pessoas ou tem o costume de fazer comida como já disse lá em cima, rola sim uma compra maior de super mercado duas vezes por mês. Caso contrário, sua melhor amiga vira a mulher do caixa de 15 itens. Eu nunca consegui comprar mais de duas coisas de cada. Já passei algumas situações engraçadas no mercado quando comprei duas cenouras e uma maçã. Ou um miojo e três limões. É que se eu levo além do que vou comer, estraga na geladeira. E geladeira com comida podre dentro é a coisa mais chata de limpar do mundo – depois do banheiro.

Recebi a seguinte pergunta de uma leitora no Facebook:

“Oi Marcella! Tudo bem? Primeiramente, admiro muito sua escrita, parabéns pelo seu blog, adoro ler tudo o que você posta! Tenho apenas uma curiosidade, por quê tão nova assim já mora sozinha? Acho bacana, mas é só uma curiosidade mesmo! Seus pais são da mesma cidade que vc, certo? De qualquer forma, parabéns pelo blog e continue sempre a escrever textos bacanas!”

Vamos a resposta. Eu tenho 23 anos e “saí” da casa da minha mãe com quase 20. Digo “saí” assim em aspas porque a gente nunca sai de fato. Eu vivo indo lá, para almoçar ou visitá-la, e como citei de exemplo no post acima, também conversamos por telefone diariamente. O mesmo se aplica ao meu pai e a minha avó. Sou muito ligada a minha família e faço questão de ter eles por perto, mesmo não estando na porta ao lado do corredor. Cada um tem os seus motivos para querer morar sozinho, mas acredito que um que sempre prevalece é a vontade de “tentar se virar sozinho” e amadurecer. A minha vontade de sair de casa e morar “sozinha” (moro com duas amigas) foi basicamente por isso. Eu queria crescer e viver uma nova etapa. É engraçado, porque em Minas Gerais isso não é muito comum quando os pais moram na mesma cidade. Conheço muitas pessoas de São Paulo que vivem assim. Algumas saíram de casa até mais cedo do que eu. Deve ser algo cultural, não sei.
Espero ter respondido a dúvida. Vale lembrar que morar sozinho não são só flores, viu? E isso faz parte do amadurecimento.

Esse texto é do site Sem Clichê, nosso novo parceiro de conteúdo! Isso quer dizer que trocamos textos e vocês podem ler um pouco de De Repente dá Certo lá e um pouco de Sem Clichê aqui! <3 

Sem Clichê

Marcella Brafman é autora do Sem Clichê. Ela é jornalista, escritora e mineira. Sofre de imaginação fértil que só passa escrevendo.

  • Rafa

    Eu também moro sozinha, e sobre o supermercado sempre que levo muita coisa estraga mesmo kkkk e cozinhar é a parte mais chata que tem

  • Nossa, nunca havia pensado dessa maneira. Muito bom mesmo! Parabéns

  • Vanessa Motta

    Boa noite Marcella tenho 21 anos e moro sozinha desde os 18,”cara” esse lance não é legal,mas limpar a casa depois de um dia de trabalho estressante é dise viu. ..rsrs…bjs ameei o post.